5 dicas para você se organizar financeiramente

Esse será o novo post, dando continuidade sobre “organização financeira”, hoje falaremos sobre…organização.

Dezembro está acabando, com isso, um novo ano vem surgindo. Um momento muito bom para parar, refletir, fazer novos planos, e começar o próximo ano se redimindo dos erros cometidos no ano anterior e claro, pondo em prático os novos planos.

Quando falamos de vida financeira, aliás, quando falamos de vida financeira? raramente!

Muitas vezes, falamos de vida financeira, justamente quando estamos no limite… do cartão e do banco. (Desculpem o trocadilho).

Se você se enquadra no paragrafo anterior, não se preocupe, daremos algumas dicas para que você possa se organizar melhor financeiramente. Vamos lá?

calculator-424564_1280

1 – Conheça todos seus ganhos

Parece um conselho bobo, mas muita gente peca aqui! Não conhecem todos os seus ganhos. Se você for assalariado, pega seus holerite, veja realmente o que entra na sua conta! Não o salário bruto, mas o líquido. Se você for casado, sente com sua esposa ou vice versa, e façam a conta de quanto realmente vocês ganha. Incluam todos suas fontes de renda. Não tem como fazer um controle de suas finanças, sem saber desse item.

 

2 – Conheça todos os seus gastos

Bom, depois de saber o quanto você(s) ganha(m), agora é a hora de saber quanto você gasta. Não adianta colocar em um papel, somente as despesas maiores, como mercado ou combustíveis. Coloque tudo em um papel, do cafezinho ao estacionamento. Nada deve ser poupado. Para quem não tem esse hábito(anotar os gastos), é hora de implementar! Você só terá um vida financeira organizada, se souber realmente para onde está indo seu suado dinheirinho.

Para quem acompanha o blog a algum tempo, sabe o que significa “implementar um hábito“. Mãos a obra!

 

3 – Tenha um controle financeiro

Depois de cumprir esses dois itens acima, é hora de ter um controle. Com os dois dados acima, você já terá uma ideia de como anda suas finanças. Você descobrirá qual despesa está impactando no seu bolso, e qual a melhor forma de lidar com isso. É possível eliminar essas despesas,  se a resposta for não, você terá que aumentar seus rendimentos. Empreenda! Coloque seus dotes para funcionar.

O seu controle financeiro, pode começar em uma folha de papel simples, pode evoluir para uma planilha no excel, para um app no seu smartphone(recomendo fortemente o iXpenselt) ou no excelente site zeropaper(tem a versão gratuita e a versão paga, as duas são totalmente intuitivas. É só fazer o cadastro e começar a controlar seu dinheiro).

 

4 – Converse sobre finanças

É muito importante desmistificar finanças, converse nas redes sociais, leia blogs (indico um de linguagem simples e que aborda tudo que precisamos: dinheirama), sites, conversa com sua família e amigos. Conversamos sobre tudo, mas transformamos dinheiro em tabu. Não é vergonha nenhuma ganhar dinheiro e trocar experiências da melhor maneira de cuidar desse dinheiro. Conversando sobre isso, começamos a incutir em nós e nas pessoas em que convivemos, uma maneira de se educar financeiramente.

 

5 – Pense a longo prazo

Um péssimo hábito: pensar a curto prazo. Exemplo clássico, recebe o salário e torrar toda a grana, consumindo coisas que não precisamos. E se alguém questiona o que você está fazendo, solta aquela famigerada frase: tenho que gastar, porque vou morrer mesmo. Bom, para esse resposta, só posso dizer isso: já que você vai “morrer” mesmo, não coma, não trabalhe, fique em frente a um relógio, contando os minutos que faltam para que você passe dessa para melhor – ou não!

É importante pensar a longo prazo, assim você evita consumismos desenfreados e financiamentos desnecessários. Além de conhecer o poder dos juros compostos, a seu favor. Mas, sobre investimentos, deixemos para outra conversa.

 

Anúncios

O que devemos aprender com os empreendedores de sucesso

Algumas pessoas nunca vão entender como funciona a mente de empreendedores de sucesso. Mas, se você quer ter sucesso em qualquer área, vale a pena tentar.

É comum pensar e falar sobre as pessoas de sucesso: elas tem sorte…elas são egoístas…elas são desleais… Mas se usarmos um pouco de empatia, podemos aprender como chegar lá, esquecendo desses adjetivos negativos, que muitas vezes nos limitam a aprender com eles.

Aqui estão 5 coisas que empreendedores de sucesso fazem e que você deveria estar fazendo, se quer ter sucesso parecido com o deles:

woman-business-thinking-1

#1 – Empreendedores de sucesso ficam confortáveis em situação de desconforto
A maioria de nós tem conforto físico, psicológico e emocional como objetivo principal e primordial.

Já os empreendedores de sucesso, logo cedo aprendem que ficar confortável e evitar o desconforto pode ser devastador para se conseguir atingir metas altas e sair da mediocridade. Eles sabem que situações desconfortáveis não devem ser evitadas, mas sim, enfrentadas. Todos situação desconfortável deve ser evitada não com um fardo, mas, como uma maneira temporária para atingir um objetivo temporário.
Faça uma lista com 5 coisas que te tiram do seu conforto no seu trabalho, e todo dia faça essas 5 coisas. Seu crescimento depende disso.

#2 – Eles sonham com o futuro
Todos nós em algum momento, ouvimos estórias de “velhos tempos”, onde, os jogadores de futebol eram melhores, as músicas eram sensacionais e os filmes arrebatadores! Sem falar na honestidade nos negócios. Esse pensamento de que o passado é melhor, é devastador para a sua carreira e para sua felicidade.

Os empreendedores de sucesso são otimistas e tem todas suas ações orientadas para o futuro. Eles apreciam e aprendem as lições do passado, vivem o presente realizando os sonhos do futuro. Gastar tempo sonhando, planejando e clarificando metas e objetivos a curto e longo prazo fazem parte do sucesso.

#3 – Eles são mais confiantes

As vezes achamos que pessoas de sucesso são arrogantes e que eles se acham melhores que os outros. Mas, tudo isso pode ser resumido em: confiança.

Pessoas de sucesso são confiantes, porque eles apostam em sua próprias qualificações e raramente se desapontam. Mesmo quando a aposta não é satisfatória, eles são confiantes em sua capacidade de conseguir extrair algum tipo de aprendizado naquela situação.

Para se ter sucesso, é preciso criar um senso de autoconfiança tão grande, dia-a-dia, que ao longo do tempo, quem não entende isso, pode achar que isso é arrogância.

Confiança em si mesmo, é primordial para conseguir vencer as tarefas do dia-a-dia.

#4 – Eles acreditam que dinheiro é liberdade

Enquanto algumas pessoas pensam em dinheiro para comprar objetos para ostentar, pessoas bem sucedidas, fazem de tudo para ter dinheiro gerando renda.

A mentalidade que muitas vezes usamos dinheiro é a curto prazo. Pensamos somente em quanto dinheiro precisamos para comprar determinado objetivo, isso faz com não acumulemos riqueza e continuemos dependente.

Pessoas bem sucedidas, pensam a longo prazo, pensam na quantia de dinheiro que eles devem ter investido, para que esse dinheiro gere renda. Ou seja, um pensamento a longo prazo, que trará uma liberdade para experimentar novos projetos, e não faturas de cartão a serem refinanciadas.

#5 – Empreendedores bem sucedidos controlam seus contatos

As pessoas com educação formal de alto nível tendem a ter amigos desse perfil. Pessoas fisicamente em forma gostam de passar tempo com outras pessoas que estão em forma. As pessoas religiosas gostam de ter comunhão com as pessoas da mesma fé. E as pessoas bem sucedidas gostam de estar com pessoas bem sucedidas.

É o velho ditado: “Diga com quem andas, que direis quem és”. Estabeleça uma meta de dobrar a quantidade de tempo que você gasta com pessoas que são bem sucedidas. Quem sabe, você comece a ser mais bem sucedido.

—-

Esse texto foi adaptado originalmente de What The Middle Class Doesn’t Understand About Rich People ,

Pra que isso?

Se, setenta anos atrás, você perguntasse a Henry Luce, pra que serve a revista “Time”? Ele provavelmente responderia, que ela serve para mostrar os eventos sociais mais importantes dos EUA, chamar a atenção de pessoas com uma boa educação e poder social, e é claro, entregar as melhores novidades da semana.

Hoje, a resposta seria: a proposta da revista é fazer tanto dinheiro quanto possível. Todo o resto esta a favor desse objetivo.

O lucro costumava ser a consequência do alcance das metas e objetivos. Hoje, o objetivo é aumentar o lucro. No caso da Times, percebe-se a perda da qualidade.

Se você perguntar para o Gerente de uma cantina de uma escola, qual o objetivo de vender lanche nas escolas, a resposta não será:

Educar crianças sobre a importância de uma alimentação saudável e ajuda-lás a fazerem escolhas saudáveis com relação a comida.

Não, a resposta provavelmente será esta:

Alimentar as crianças rapidamente, gerar lucro, independente se os pratos são saudáveis.

E se você perguntar a alguém que gerência uma empresa que vende acessórios para cozinha, a resposta provavelmente nao terá nada a ver com, descascar uma laranjas de maneira fácil e eficiente, com acessório durável… A resposta honesta será, fabricar itens fáceis, que quebrem rápidos e que possam ser vendidos em grande quantidade, gerando muito lucro.

Na maioria das empresas, a resposta será sempre a mesma, “para agradar meu patrão”.

Mas, vem cá… A resposta do “pra que isso?” É sobre as decisões não obvias que temos que tomar.

Eu acho que maximizar o lucro pode ser um ótimo objetivo a curto prazo. Entretanto, se esse for o único objetivo, ou o objetivo que guiará a empresa no longo prazo, os funcionários não saberão como agir no longo prazo, principalmente quando os concorrentes tiverem propostas melhores, satisfazendo o que os clientes precisam.

Seja claro sobre o que você está fazendo e porque fazer melhor é importante. Se você não sabe responder essa questão, faça algumas mudanças radicais nas suas ações, AGORA!

Adaptado de: Seth’s Blog – What’s it for?

Me diga com o que você consome seu tempo e te direis quem és…

Todo começo de ano é assim: inicio de Big Brother Brasil, e uma orda de pessoas reclamando em todas as redes sociais desse programa tão des-instrutivo.

Imagem

Não, o que diz nessa foto não é verdade!

Várias são as reclamações, mais poucos são aqueles que se abstêm de assistirem o programa.

Tendo em vista que nosso tempo é finito, temos que analisar qual é a forma que estamos gastando nosso tempo, estamos gastando com qualidade ou estamos desperdiçando-o?

Essa pergunta deve ser feita, principalmente para os empreendedores e aqueles que visam um crescimento profissional a longo prazo.

(É claro que ao responder a pergunta acima, precisamos saber qual o nosso objetivo de vida, pois aí, fica fácil de conseguir separar o que é útil para sua caminhada e o que não é. Falaremos disso com mais profundidade em outro post.)

Trevor Blake, um empreendedor autor de “Three Simple Steps: A Map to Success in Business and Life” (3 simples passos: um mapa para o sucesso nos negócios e na vida) descreve em seu livro como neurocientistas têm aprendido a medir a atividade cerebral a partir de vários estímulos, incluindo uma longa sessão de reclamações.

“O cérebro trabalha como um músculo, mais do que pensamos”, diz Blake.
Pesquisas mostram que ficar por 30 minutos ou mais ouvindo coisas negativas – incluindo pela TV – pode resultar na morte de neurônios no hippocampus (a parte do cérebro responsável pela resolução de problemas.)
Imagem
Se você não quiser que seu cérebro perca sua função vital, seja mais seletivo com o que você assiste, com o que lê (inclusive com as páginas que curte no Facebook) e com quem e sobre o que conversa.