Destaque

MVP: Como testar uma hipótese de negócios gastando pouco – ou quase nada

Empresas grandes tem um grande acesso a capital financeiro e humano, desse modo conseguem desenvolver boas estratégias de lançamentos de novos produtos e mitigar os riscos da empresa. Já as Pequenas e Médias empresas não tem a mesma facilidade: geralmente possuem pouco capital, limitando a execução de suas estratégias. Escrevo esse artigo pensando nisso e mostrando a essa categoria de empresários, que é possível “copiar” ideias consagradas de grandes empresas sem gastar muito – ou quase nada.

Empresas de tecnologia, por trabalharem em um ambiente que existe agilidade de ação, não tem muito tempo para encubar a ideia de negócio: eles precisam de prática o mais rápido possível, para testar sua hipótese e assim conseguir desenvolver o produto/serviço de uma melhor maneira e se firmar no mercado com lucratividade. Pois bem, para isso, elas criaram uma metodologia que se chama MVP (Minimum Viable Product) ou Produto Minimamente Viável.

E é sobre essa metodologia, que muitas empresas grandes utilizam, que vou falar e mostrar como um pequena e média empresa pode usá-la para potencializar a hipótese de um novo produto.

Basicamente, um MVP é criar uma maneira de conseguir testar sua hipótese (de uma idéia de negócio ou de um novo produto/serviço) com um público, gerando receita já no começo, gastando o mínimo possível e com um produto que consiga mostrar ao seu possível público o conceito/valor que sua empresa quer passar com essa ideia.

Construindo um MVP

Um exemplo bem didático – e extremo: você quer criar um carro que não use combustível fóssil e que seja totalmente sustentável, decide por um MVP. O conceito/valor que você quer entregar para o seu público é o cuidado com o meio ambiente e um meio eficiente de se locomover. Portanto, a imagem abaixo, é um exemplo perfeito de como construir um MVP.

Sendo a imagem (1) o primeiro MVP e a imagem (5) o produto final.

A importância de cobrar

Lembre-se que sempre é necessário cobrar pelo seu produto nesse processo. É importante a cobrança porque é a partir dela que você irá entender se você está atendendo a um público certo e se você está conseguindo passar o “valor-conceito” adequado. E como o seu cliente estará pagando, ele te dará um feedback, caso seu produto o desagrade.

A diferença entre Amostra Grátis e MVP

Algumas pessoas podem acabar confundindo Amostra Grátis com MVP, mas essas duas estratégias são usadas para fins muito distintos. A primeira usa-se como forma de divulgação, uma estratégia de comunicação. Quando se está lançando a versão final de um produto, e a distribuição do mesmo será o chamariz para que os clientes possam experimentar o produto. Já o MVP – se você leu o texto até aqui – é outraaa coisa.

Ciclo: Construir – Medir – Aprender

Esse tripé é a sustentação do MVP. Através de uma hipótese de negócios, há a construção de um produto mínimo; leva-se a teste com um possível público-alvo; é criado um sistema de mensuração para que se valide ou não a ideia; e aprende-se com a validação ou não.

Caso haja validação, começa-se a fabricação do produto final e leva-se ao mercado. Caso não tenha validação, entende-se o motivo, é realizado ajustes necessários e começa o ciclo novamente.

Mão na massa

Agora que sabemos como criar um MVP, é só desenvolver melhor sua ideia e começar a construção. Um pequeno teste, antes de começar, se você está titubeando ao responder essas perguntas, você precisa melhorar sua hipótese, antes mesmo de fazer o MVP:

  1. Você sabe qual a sua proposta de valor ou porque os clientes compraram da minha empresa e não do concorrente?;
  2. Você está resolvendo uma “dor” ou um “problema real”? ;
  3. O valor que você irá cobrar as pessoas estarão dispostas a pagar, já que elas enxergam os benefícios?

Lembre-se: seja qual for sua ideia, sua empresa tem que existir para “resolver um problema”.

Anúncios

Canvas: A escolha inteligente

Segundo o dicionário do Google, Dinâmica é a “parte da mecânica que estuda o comportamento dos corpos em movimento e a ação das forças que produzem ou modificam seus movimentos”, e não existe melhor palavra para definir o momento que vivemos. Nada é estático, tudo é fluído e rápido, algo que temos certeza hoje, amanhã pode ser uma dúvida; um negócio lucrativo hoje, não é mais amanhã!

Diante disso, quando temos uma ideia de negócio, precisamos mais do que depressa, colocar em execução. Um dos princípios de empresas tecnológicas(leia-se start up) diz que “se você não sentir vergonha de seu produto depois de um tempo, você lançou ele tarde de mais”.

Esse cenário, faz com quem muitas vezes o “Plano de negócio”, como recomendam várias empresas de consultoria e orgãos ligados a criação de empresas, pode se tornar um “tiro no pé”. Primeiro poque a maneira de recolher as informações para a execução do projeto será feita no presente e seu projeto será executado no futuro – lembra do dinamismo que falamos atrás? – E segundo, enquanto você fica colhendo informações para seu “plano de negócios”, alguém vai lá e faz, e vai entendendo  mercado e recolhendo informações, conforme o negócios “anda”.

Acho importante o Plano de negócios, mas não podemos nos guiar somente por ele! Acredito que ele tem que servir para vermos qual é nossa projeção e como aconteceu na prática.

Para tirar sua ideia da cabeça de uma forma rápida e de fácil visualização, recomendo utilizar o “Canvas”:

O Business Model Canvas é uma ferramenta de gerenciamento estratégico, que permite desenvolver e esboçar modelos de negócio novos ou existentes. É um mapa visual pré-formatado contendo nove blocos do modelo de negócios.[1] . O Business Model Canvas foi inicialmente proposto por Alexander Osterwalder[2]baseado no seu trabalho anterior sobre Business Model Ontology.[3]

As descrições formais do negócio se tornam os blocos para construir suas atividades. Existem várias conceitualizações diferentes de negócio; o trabalho e a tese de Osterwalder (2010[1] , 2004[3] ) propõem ummodelo único de referência baseado nas semelhanças de um vasto número de conceitualizações de modelo de negócios. Com seu padrão de design de modelo de negócios, uma empresa pode facilmente descrever seu modelo de negócios. (Fonte: Wikipedia )

business-model-canvas

Esse é o modelo de quadro que é utilizado para fazer a ideação do seu negócio. É fácil preencher. Recomenda-se que inicialmente, seja colocado post it com palavras que representem suas ideias, em cada setor. Ao final, você vai visualizar seu negócios como um todo: desde seus principais fornecedores, até o valor que você vai entregar ao seu cliente.

Dedico esse post especialmente a todos que estão com algumas ideias, mas estão elaborando um complexo plano de negócios. Desafio você a fazer o canvas e colocar sua ideia em prática! Encerro com essa frase de Vó, que não poderia ser mais atual: “Antes feito, do que perfeito.”

4 ideias para fazer os controles financeiros empresariais

Muitas pessoas sonham em ser empreendedores, ser chefes de si mesmo e sonham com tudo mais que isso evoca. A parte principal desse processo, é a ideia do que se fazer, que tipo de empresas abrir. Muitos empreendedores, acham que ter a “ideia” é o suficiente para que seu empreendimento se realize. Ledo engano.

Ser empreendedor é uma tarefa hercúlea, Darwin ou Leon Megginson disse uma célebre frase sobre a evolução das espécies, e nos também atribuímos a mesma frase aos empreendedores: “sobrevive, não o mais forte, mas o que melhor se adapta as mudanças.” Nesse caso, para sobreviver, é necessário cuidar da mente, atitudes e estratégias do negócio, para isso, basta acompanhar nossos post(modéstia a parte).

Um passo importante para que o empreendimento tenha sucesso, é cuidar adequadamente das finanças. Você já conhece os nove controles financeiros essenciais – se não conhece, é só clicar no “azul”. Nesse post, conheceremos, maneiras de como fazer esses controles, de forma simples e eficiente. Vamos a elas.

Featured image

1)Papel – Prevejo pessoas fazendo críticas a esse item, mas, antes de pensar e julgar de forma precipitadamente, eu lhes digo que conheço empresas muito bem administradas, lucrativas e que tem todos os seus controles financeiros feito em papel.

Aqui, destaco mais uma vez, a importância de saber quais são os controles financeiros básicos e essenciais para qualquer tamanho e tipo de empresa, para depois dar a sequência. Empresas pequenas podem utilizar o papel, na verdade qualquer tamanho de empresa, desde que façam as marcações, conheçam o que está acontecendo e saibam a hora de migrar para o próximo nível de controle controle.

2)Excel – Excel (ou seu programa correspondente) é excelente. Você consegue controlar tudo de forma facilitada, desde o fechamento de caixa até controles de salários. Crie suas próprias planilhas, formate com as fórmulas necessárias, dispense o use de calculadoras e tenha a gestão facilitada, já que a visualização da empresa a curto e a longo prazo começa a ser possível, inclusive com isso, já dá pra traça estratégias. Exemplo, olhando a planilha de contas a receber/pagar, você percebe que no mês X ficará com o caixa negativo, rapidamente você monta uma estratégia para sair dessa.

Detalhe: quando melhor for o seu conhecimento de Excel, com absoluta certeza, melhores planilhas e melhores controles você terá.

3)Softwares – Quanto mais sua empresa cresce, maiores deverão ser sua rigorosidade com os controles financeiros e mais ágeis eles deverão ser. Os softwares, vem justamente para realizar isso, facilitar a vida do empresário. Você pode contratar uma empresa e fazer o seu próprio software, específico e de acordo com sua necessidade. Se você for um empresário que começou no papel e conforme sua empresa cresceu, a migração para os controles foram sendo alteradas para facilitar a gestão, quando você for desenvolver o seu próprio software, você saberá exatamente a sua real necessidade.

Para quem não está a fim e não vê necessidade de investir muito dinheiro em um software de gestão, existem um que eu testei e recomendo, se chama zero paper, É um software online, onde você tem controle de cliente, controles de contas a receber e a pagar, gráficos precisos,controles bancários, fluxo de caixa, enfim, todos os controles essenciais! Não precisa instalar programa e nem fazer download de nada, você só precisará de um computador com acesso a internet(ou tablet e smartphone), fazer seu cadastro e começar a utilizar. Existe a versão gratuita e versão paga. O site é super intuitivo, as mensalidade é barata, e um ótimo investimento.

P.S. Este não é um post patrocinado, estou recomendando o Zero Paper, porque eu utilizo e acho ele fantástico!

4)Sistema ERP – ERP significa, Enterprise Resource Planning – ou, sistema de gestão integrado. Empresas grandes, não utilizam nenhum dos 3 itens anteriores(Por favor, não dá pra gerir uma empresa grande com softwares específicos), quando eu digo empresas grandes, eu quero dizer aquelas que faturam perto de R$ bilhões. Empresas nesse porte, utilizam esse tipo de sistema porque todas as informações de todas as áreas e setores, são integradas, assim como as metas estabelecidas para cada setor. Enfim, esse programa tem o mesmo intuito de todos os itens anteriores: facilitar a gestão e consequente perenidade do seu empreendimento.

Não importa qual seja o nível da sua ideia, tenha em mente que ela não é autossuficiente e nem você, leia, estude, aplique os controles financeiros de maneira adequada, fazendo isso seu empreendimento se adaptará melhor as mudanças.

Como começar a empreender em 3 passos

Seth Godin, um super empreendedor americano, autor de vários livros sobre esse tema, fez um post essa semana em seu blog, falando de como “começar a empreender”, “startar seu projeto” ou “tirar sua idéias da gaveta”. Inspirado na ideia dele, esse texto abordará (e acordara) aquelas pessoas que tem a ideia e vontade de empreender.

O medo paralisa, a simplicidade assusta e as desculpas surgem, quando vamos fazer algo novo.
Se não pegamos a rédea de nossa vida, trazendo coragem e racionalidade, as coisas não acontecem. (Substitua “coisas”, pelo seu projeto/empreendimento).

As dicas para quem quer começar algo novo é:

1 – Comece da maneira mais simples.
Nada de complicar, invista quando tiver certeza que será rentável e que a clientela estará garantida

2 – Crie um fluxo de recebimento.
Sua ideia deve solucionar essa simples questão: resolver problemas que as pessoas estão dispostas a pagar. Isso por si só, gerará um fluxo de recebimento.
No começo, cobre menos do que o serviço vale. Isso é investimento.

3 – Repita.
Os dois passos acima devem bastar por um tempo, assim que ganhar escala e aumentar a lucratividade, a estratégia deve ser aprimorada.

Não espere por milagre, momento perfeito, sinal ou intervenção sobrenatural. Você precisa de uma ideia e coragem pra começar.

3 passos para um empreendedor sem idéia

Sempre encontro com futuros empreendedores, que tem um potencial, mas me fazem uma pergunta, um tanto quanto estranha: “Quero ter uma empresa, mas não tenho idéia… você tem um sugestão de um mercado lucrativo e que eu tenha que arriscar pouco?”, “bom, primeiramente se eu soubesse a resposta para essa idéia, eu não falaria pra você… eu já estava utilizando-a.” Isso é o que eu comumente respondo.

Quero ser empreendedor, estou sem idéias... e agora?
Quero ser empreendedor, estou sem idéias… e agora?

 

Brincadeiras a parte, para alguém que tenha vontade de empreender, mas quer aprender um pouco mais, até florescer uma idéia, eu sugiro os passos a seguir:

a) iniciar uma loja do mercado livre para aprender habilidades empresariais básicas; e

b ) construir uma marca pessoal que vai ajudar a sua empresa no futuro.

O caminho para se construir uma marca pessoal é longo é exige bastante cuidado e atenção. Aqui estão os três primeiros passos para a construção:

1 – Registrar o nome do domínio de seu nome pessoal;
2 – Criar um blog no WordPress.com que use o seu nome de domínio pessoal;
3 – Comece a blogar e twittar regularmente  sobre as coisas que você está apaixonado , bem como idéias para tornar as coisas melhores no seu ramo de atuação.

Como é que uma marca pessoal ajuda um empreendedor ? A percepção da marca contribui com os membros da equipe de recrutamento , validando as idéias , encontrar clientes em potencial , arrecadando dinheiro , e uma série de outras coisas. Além disso, independentemente de ser um empreendedor ou não, isso vai te fazer ser mais conhecido e ter mais contatos na sua área de expertise.

Então, da próxima vez que um potencial empreendedor manifestar interesse em iniciar uma empresa, sem ter uma ideia , comece a trabalhar a sua marca pessoal.

O que mais? Quais são suas idéias para um empreendedor em potencial, sem idéia?

Elon Musk: Porque ele sonha tão grande e o que podemos aprender

Quase todos os meios de comunicação falaram sobre a criação e o lançamento do Hyperloop(um transporte tubular para pessoas, algo como uma comboio supersônico), pelo Elon Musk, o Tony Stark, em carne, osso e imaginação.

 

Tony, digo, Elon Musk em seu modelo Tesla.
Tony, digo, Elon Musk em seu modelo Tesla.

É um idéia excitante: viajar pelas maiores cidades dos EUA, na velocidade do som, a preço de viagem de avião.

 

Hyperloop: o começo do fim das distâncias
Hyperloop: o começo do fim das distâncias

Esta não é a primeira idéia surpreendente do Sul Africano, Elon  Musk. Na graduação, ele criou o sistema de pagamento online PayPall, com a venda dessa empresa, ele criou a Tesla, uma fábrica de carros elétricos, uma companhia de ônibus espaciais, chamada Space X, essas são só as principais e mais conhecidas obras dele.

Junto com Steve jobs, Richard Branson e Bill Gates, Musk faz parte de um grupo de criadores modernos, que pensam de uma forma unicamente genuína, com idéias aplicáveis no mundo real, e que com certeza, trazem um enorme impacto positivos em nossas vidas.

Pesquisando a vida de Musk, pode ser tiradas algumas conclusões de porque ele sonha (e realiza) tão grande! Aqui vão algumas delas:

  • Ele é um leitor voraz – Sua mãe diz que quando criança, toda vez que eles iam passear, ele sempre sumia… e ela sempre encontrava ele em uma livraria. Ele sempre preferiu a leitura, do que jogos(seja qual forem). Hoje, ele possui uma vasta biblioteca, onde encontra-se livros de todos os assuntos possíveis: decoração, economia, engenharia, administração, espaço, design, fotografia… enfim, parece que seu apetite por livros, realmente faz bem!
  • Ele tem capital para isso – A criatividade pode aflorar de qualquer jeito, mas, existem duas maneiras que colabora: se você for muito pobre(você vai ser forçado a criar coisas para melhorar sua vida) ou se você for muito rico(você terá muito dinheiro para gastar com suas idéias fantásticas). Elon Musk, tem muito dinheiro! Com a venda do PayPall, todo o dinheiro que ele possui, ele investe em seus novos projetos! Ele não precisa de permissão para realizar testes, e nem tem que passar por comitês para ver se sua idéia será aprovada e qual o orçamento. “Eu não estou tentando fazer uma tonelada de dinheiro com isso, mas eu gostaria de vê-lo se concretizar “, disse ele ontem sobre o Hyperloop. “Eu acho que pode ajudar se eu construí um modelo.”
  • Ele tem uma perspectiva global – Nascido na África do Sul, Musk trabalhou em uma fazenda no Canadá antes de frequentar a universidade da Pensilvânia e Califórnia. Ele viaja extensivamente para trabalho e lazer (ilhas, viagens por estrada, etc), o que o coloca em contato com pessoas de diferentes origens, pessoas com diferentes perspectivas e valores na vida. Confrontando e explorar novas pessoas, lugares, idéias, estimula o pensamento novo.
  • Ele tem filhos – Ouvimos várias vezes que quando as pessoas têm filhos toda a sua perspectiva sobre a sustentabilidade e qualidade de vida muda. Musk tem cinco filhos de seu primeiro casamento com Justine Musk. Razão pela qual os seres humanos devem se mover para colonizar Marte, é a preocupação com o futuro. “As crianças são incríveis”, ele sempre diz.
  • Ele estuda história – No pronunciamento sobre o Hyperloop, ele usou em sua discurso fala de Nicola Tesla; Catarina, a Grande; e Henry Fielding. Aqueles que conhecem o passado, tem o poder de mudar o futuro.
  • Ele é “ligado” na cultura pop – Musk não é um cérebro rico mimado longe da realidade. O cara ouve a todos, de Adele a Robbie Williams. Ele gosta de filmes. Ele vai para os clubes (onde ele conheceu sua segunda esposa, a atriz britânica Talulah Riley). Ele joga videogames. Trata-se de uma boa diversão – saídas para relaxamento e potenciais fontes de inspiração (a sua ideia para o Hyperloop veio sentado no trânsito enlouquecedor , por exemplo).
  • Ele é um gênio – Um sinal de inteligência é uma mente capaz de comunicar idéias complexas em termos simples. Para ser capaz de descrever, por exemplo, a tecnologia e a física por trás de um trem em tubo que viaja na velocidade do som em um relatório de 57 páginas que o leitor (leigo nessa área)pode facilmente digerir e (melhor ainda) achar interessante. Ah, e ele é o único cidadão privado na história do homem a enviar com sucesso um foguete e fazer ele retornar, intacto. Não é pouca coisa.

(Adaptado de: Elon Musk’s Hyperloop: Why He Dreams So Big, disponivel em http://www.forbes.com/sites/hannahelliott/2013/08/13/elon-musks-hyperloop-why-he-dreams-so-big/)

[Review] O corpo fala

O corpo fala, escrito pelos psicólogos Pierre Weil e Roland Tompakow, atualmente em sua 70º edição.  Um livro que vai mudar  a maneira como você conversa com as pessoas. Desde os primórdios tempos, onde introduzimos a fala como a principal comunicação, tiramos de cena a comunicação corporal. Na verdade, a comunicação corporal ocorre em qualquer instância de uma “conversa verbalizada através de palavras”, porém, nós acabamos prestando mais atenção ao som do que os gestos. Um grande erro, porque uma comunicação completa a outra.

O corpo fala
O corpo fala

O livro começa como se fosse uma cartilha, daquelas que nós somos alfabetizados. Primeiro, começamos a aprender as “letras”, depois formamos as palavras e por fim frases… daí, temos uma comunicação completa. Quando falamos nesse tipo de comunicação, você, leitor deve estar pensando que é um tanto complicado aprender a linguagem corporal através da escrita. Pois bem, os autores pensaram nesse detalhe, cada vez que nos é introduzidos um gesto, uma maneira que falamos com o corpo, tal maneira é descrita por palavras e acompanhadas por sua devida ilustração!

Aprender a linguagem corporal, seria difícil sem a imagem.
Aprender a linguagem corporal seria difícil sem a imagem.

Além disso, há uma sugestão por parte dos autores, cada vez que é introduzido uma nova linguagem corporal, que o leitor faça uma pausa, para observar as pessoas a sua volta, analisando se o que foi aprendido, procede.

É um livro que vale muito a pena ser lido, depois que você termina de ler esse livro, uma nova forma de observar e entender as pessoas fica incutido no seu cérebro.

Porque é bom para empreendedor? simples! precisamos o tempo todo estar em contato com pessoas, vendendo idéias, produtos, contratando pessoas, adquirindo recursos… com esse aprendizado, você vai perceber quando as pessoas estão se fechando a sua idéia, antes mesmo dela verbalizar, ou seja, você poderá convence-lá antes mesmo dela verbalizar.

Vale a pena o investimento.