Destaque

S.M.A.R.T: Como colocar seu(s) objetivo(s) em ação

Dando continuidade ao post anterior, hoje vou falar de uma ferramenta que também vai lhe ajudar na hora de colocar algum objetivos que você tenha definido em ação. Vale tanto para sua empresa ou para um objetivo pessoal.

d98c6-1mowzlv9gh81dgflyfv1hzw

O acrônimo SMART é composto pelas palavras: Specific, Measurable, Attainable, Realistic e Timely. Calma! caso você não entenda nada de inglês, já vou traduzir e explicar como usar cada uma dessa palavras no desenvolvimento do seu objetivo. Mas, antes, vamos fazer uma volta ao tempo e descobrir quem criou e porque essa ferramenta foi criada.

O ano era o de 1981, George T. Duran, cansada de ferramentas complicadas e de um meio acadêmico que não olhava para a massa e o público em geral, decidiu criar uma ferramenta simples e que pudesse ser usada por qualquer pessoa que estivesse com dificuldades em desenvolver, desenrolar, não conseguir colocar em prática, o que estava em mente. Dessa maneira, surgiu o artigo “There’s a S.M.A.R.T. Way to Write Management’s Goals and Objectives” e o começa da popularização dessa tão importante metodologia. (Para ler o artigo original, clique aqui)

Claro que ao longo do tempo, algumas alterações foram acrescentadas ao SMART conforme as empresas/pessoas foram utilizando. Muitos objetivos não atendem a todos os critérios (as 5 palavras que formam o acrônimo), o ideal para que se consiga um melhor proveito da ferramenta, é que se consiga atender o máximo possível para um melhor uso da ferramenta.

Apresentações – e contextualização feita – vamos ao que interessa respondendo a pergunta: como usar a ferramenta SMART?

(S) SPECIFIC: SEJA ESPECÍFICO

Detalhe, detalhe, detalhe!! O que você realmente quer? Seja bem específico. Quanto mais detalhado você for, mais fácil será para o desenvolvimento dos próximos passos. (Não esqueça de descrever “como”fará)

(M) MEASURABLE: DEFINA OBJETIVOS MENSURÁVEIS

Depois que você executar as ações planejadas, como saberá se atingiu os objetivo?

Defina maneiras de como você irá medir o alcance dos seus objetivos diariamente, mensalmente e anualmente, ou, até conseguir atingi-lo.

(A) ATTAINABLE/ASSINABLE: DEFINA OBJETIVOS ATINGÍVEIS E QUEM IRÁ DESENVOLVER AS TAREFAS

Embora você tenha grandes ambições, mantenha os pés no chão para definir seus objetivos. Os números devem ser desafiadores para motivar a equipe, mas não exagere no otimismo, definir metas inatingíveis gera o impacto negativo da frustração da equipe, que entende não ser capaz de chegar aos resultados esperados.

No segundo momento, se você está desenvolvendo um meta para sua empresa, aqui é o momento de elencar as tarefas e quem será o responsável pelos desenvolvimentos das mesmas.

(R) REALISTIC: SEJA REALISTA

O (R) está muito relacionado com o (A) que falamos anteriormente: para definir objetivos atingíveis, você precisa conhecer a realidade do seu negócio (ou seja lá sobre o que você está fazendo).

Lembre-se que mesmo você conhecendo o seu potencial e das pessoas com quem está trabalhando, todos tem limitação. Entenda e coloque elas em mente, para não se sobrecarregar e não sobrecarregar alguém.

(T) TIMELY – DEFINA UM PRAZO

Planeje seu objetivo e defina uma data. Não dê muito tempo – isso pode te levar a começar uma procrastinação e no consequente abandono do projeto.

Caso não consiga entregues no prazo estipulado, avalie o que deu errado e refaça as estratégias, dessa vez com um prazo mais condizente.

 

7de71-1e9htovmvepwhemxwmmwxbq

 

Mãos a obra! Agora que você já descobriu como definir objetivos SMART, é hora de começar a trabalhar. A medida que você for criando o seu objetivo, novas dúvidas irão surgir, volte aqui no post para conferir, e se não conseguir mesmo assim, não hesite em entrar em contato.

Anúncios

Quantas vezes você disse para você mesmo: “não é o melhor momento”?

Quantas vezes você ficou acordado a noite pensando no melhor momento para realizar algo? Se você respondeu “várias vezes”… mas esse momento nunca chegou, esse texto é pra você. Se você nunca pensou nisso, esse texto também é para você! 😉

Gosto de assitir filmes, e assim como o Silvio Santos, também gosto da Netflix. Dias atrás, dando uma olhada no catálogo deles, acabei assistindo o filme: “Procurando um amigo para o fim do mundo“. Resumidamente o enredo do filme se desenrola a partir do momento em que um meteoro – muito grande – está vindo em direção a Terra e quando ele chegar, será a extinção do planeta. Começa uma contagem regressiva para o fim do mundo. Algumas pessoas se desesperam, outras não. O ponto em comum a todas as pessoas: todas começam a fazer coisas que vinham adiando, mas que as deixariam feliz.

Lá vem o meteoro! (Fonte:https://cinemacao.files.wordpress.com/2013/03/seeking_a_friend-02.jpg)
Lá vem o meteoro!
(Fonte:https://cinemacao.files.wordpress.com/2013/03/seeking_a_friend-02.jpg)

A exatamente um ano atrás, fiz uma entrevista, para participar do Empretec (um curso do SEBRAE, que desenvolve as competências empreendedores, que é tão bom, e envolve tantos detalhes, que merecia um post só pra ele!), e comentei com a psicóloga que fazia a entrevista que eu tinha uma meta de abrir uma empresa de Consultoria, porque entre muitos fatores, acho super gratificante e motivador, ajudar empreendedores a criar novos negócios e se desenvolverem como pessoas.

Consegui uma vaga no Empretec em 2014, mas por conta do MBA que eu estava finalizando, não consegui fazer. Mas, eis que esse ano, vou novamente na entrevista para realizar o curso e encontro a mesma (excelente) profissional que me entrevistara no ano anterior. E eu, cheio de confiança, fui falando dos meus projetos, contando do meu amadurecimento profissional e da minha vontade (!) de abrir a empresa de consultoria… quando eu falei essa última parte, levei um tapa na cara metafórico! Ela me falou de como essa minha vontade de empreender era tão pequena diante do meu medo. Se passara um ano e nada do que eu planejara, tinha virado execução.

Esse “tapa na cara” que ela me deu, me fez abrir meus olhos e enxergar o quanto, o medo de arriscar e empreender estava me cegando. Eu estava em uma situação muito cômoda e confortável! Com sonhos sendo protelados, pela desculpe de achar o melhor momento. Eu estava esperando o “fim do mundo” para poder fazer o que eu gostava, assim como os personagens no filme!

Dedico esse texto, a todos que tem seus projetos trancafiados em uma gaveta pelo medo, a todos aqueles que tem projetos, mas estão esperando o momento certo, estão esperando o “fim do mundo”. Já dizia o ditado, “se conselho fosse bom, não se dava, se vendia”… mas, mesmo assim, aqui vai o meu: não espere nada para realizar o seu sonho, construir seu projeto e transformar em ação a sua vontade de empreender! Encare seus medos, enfrente e arrisque. Pode ser que nada de certo, mas, a chance de dar certo, existe…e só por esse motivo, vale a pena.

[Em tempo: Depois da entrevista, mudei muitas coisas que estavam a espera do “melhor momento”. Minha empresa enfim, está saindo da vontade e chegando a realidade. Estamos em construção!]

4 formas de parar de desejar e chegar a ação

Todo mundo deseja alguma coisa. Porém, apenas o desejo, não é suficiente. É preciso ação, estratégia, e perseverança. Todo começo de ano, eu traço meus desejos(metas, ou outro nome que você quiser) a longo prazo, e mês a mês tento implementar ações pequenas para que eu consigo atingir as ações a longo prazo. Dessa forma, um passo de cada vez, é possível atingir grandes resultados. Vejamos alguns passos para facilitar:

 

download

1 – Estabeleça metas de longo prazo:
Longo prazo para mim significa um tempo maior que 1 ano. Então, no começo do ano, estabeleço quais as metas que pretendo alcançar até dezembro. Separo por 4 categorias: Espiritual, Professional, Financeiro e Saúde. É bom deixá-las sempre a vista, e de tempos em tempos, dar uma lida para que haja motivação, verificação e adequação.

2 – Foque no curto prazo:
Você precisa enxergar o “quadro todo” (longo prazo), mas será somente nas suas atitudes a curto prazo, que você chegará ao resultado esperado. Geralmente eu estabeleço metas mensais, para ficar fácil de ser atingido, coloquei no meu escritório um quadro negro, onde escrevo os objetivos e vou riscando, conforme vou atingindo. Dessa forma, você sempre saberá se está caminhando na direção correta.

3 – Comemore cada pequena vitória:
Acredite, não há nada mais gratificante do que atingir uma pequena meta estabelecido. A sensação de riscar cada item, te faz ter mais vontade de atingir o próximo passo. Como se você estivesse criando o hábito de atingir metas. Lembra de algo? (leia a crítica – O poder do hábito )

4 – Crie novas metas:

Cumpriu todas as metas no prazo estabelecido? crie novas! Não cumpriu? não faz mal! Repita as mesmas, crie novas e foco nelas!

 

Acredite, isso dá resultado. Não fique somente em desejo, coloque em ação. Isso é teoria de planejamento/administração colocada de um jeito informal e fácil. Tem um pequena empresa e acha que dá pra fazer isso nela? acertou! Mão na massa.

O sapo, a água e os hábitos

download

Todas sabem que é muito importante para nossa saúde física(e mental) fazer exercícios físicos. Porém, poucos o fazem.

É muito mais fácil, ficar em casa sentado em frente a uma TV, do que sair pra correr/caminhar. Mesmo sabendo da importância de cultivar hábitos saudáveis, acabamos por criar um hábito muito “mais prazeroso” para nosso cérebro.

Tudo que fazemos com frequência e que tem uma recompensa sensorial, nosso cérebro transforma em hábito. Para entendermos isso, vamos conhecer a anatomia de um hábito, segundo Duhigg(autor de o poder do hábito)ele tem basicamente esse esqueleto: deixa, loop, recompensa. Vamos verificar um exemplo para facilitar.

Se começarmos a correr dia após dia, durante 30 dias, quando chegarmos do trabalho, para nós sentirmos bem, com toda certeza, estaremos criando um hábito. Primeiro, porque faremos isso por um tempo pré determinado(o intuito é fazer com que o cérebro vá se acostumando aos poucos); segundo, porque tem um estimulo, chegar do trabalho = a corrida; e terceiro, a endorfina que será liberada durante essa corrida, fará com que nos sintamos bem e vamos querer fazer isso sempre.

Criar um hábito leva tempo, se for positivo, pode ser que leve menos tempo que um negativo. Prova: é muito mais fácil criamos o hábito de assistir TV todo dia, do que sair para passear com os cachorros.

Onde eu quero chegar com essa conversa? vamos observar nossa vida profissional em seguida responder a pergunta: quais hábitos temos criado durante nossa vida profissional? aquela fala: ah, a concorrência está me atrapalhando, por isso não atingi a meta(uma desculpa para não arriscar e criar coisas novas), pode ser um hábito que você criou após várias tentativas de mudança sem sucesso.

Pensa na velha história de que o sapo, quando colocado em uma vasilha com água fervendo aos poucos, acaba se acostumando com a temperatura e vai morrendo um pouquinho a cada vez que a água esquenta, pode estar acontecendo conosco. Parar e analisar quais hábitos temos criado ao longo do tempo, pode ser o primeiro passo para não morrer pela falsa adaptação. Sua água ainda pode estar morna, mude seus hábitos.