S.M.A.R.T: Como colocar seu(s) objetivo(s) em ação

Dando continuidade ao post anterior, hoje vou falar de uma ferramenta que também vai lhe ajudar na hora de colocar algum objetivos que você tenha definido em ação. Vale tanto para sua empresa ou para um objetivo pessoal.

d98c6-1mowzlv9gh81dgflyfv1hzw

O acrônimo SMART é composto pelas palavras: Specific, Measurable, Attainable, Realistic e Timely. Calma! caso você não entenda nada de inglês, já vou traduzir e explicar como usar cada uma dessa palavras no desenvolvimento do seu objetivo. Mas, antes, vamos fazer uma volta ao tempo e descobrir quem criou e porque essa ferramenta foi criada.

O ano era o de 1981, George T. Duran, cansada de ferramentas complicadas e de um meio acadêmico que não olhava para a massa e o público em geral, decidiu criar uma ferramenta simples e que pudesse ser usada por qualquer pessoa que estivesse com dificuldades em desenvolver, desenrolar, não conseguir colocar em prática, o que estava em mente. Dessa maneira, surgiu o artigo “There’s a S.M.A.R.T. Way to Write Management’s Goals and Objectives” e o começa da popularização dessa tão importante metodologia. (Para ler o artigo original, clique aqui)

Claro que ao longo do tempo, algumas alterações foram acrescentadas ao SMART conforme as empresas/pessoas foram utilizando. Muitos objetivos não atendem a todos os critérios (as 5 palavras que formam o acrônimo), o ideal para que se consiga um melhor proveito da ferramenta, é que se consiga atender o máximo possível para um melhor uso da ferramenta.

Apresentações – e contextualização feita – vamos ao que interessa respondendo a pergunta: como usar a ferramenta SMART?

(S) SPECIFIC: SEJA ESPECÍFICO

Detalhe, detalhe, detalhe!! O que você realmente quer? Seja bem específico. Quanto mais detalhado você for, mais fácil será para o desenvolvimento dos próximos passos. (Não esqueça de descrever “como”fará)

(M) MEASURABLE: DEFINA OBJETIVOS MENSURÁVEIS

Depois que você executar as ações planejadas, como saberá se atingiu os objetivo?

Defina maneiras de como você irá medir o alcance dos seus objetivos diariamente, mensalmente e anualmente, ou, até conseguir atingi-lo.

(A) ATTAINABLE/ASSINABLE: DEFINA OBJETIVOS ATINGÍVEIS E QUEM IRÁ DESENVOLVER AS TAREFAS

Embora você tenha grandes ambições, mantenha os pés no chão para definir seus objetivos. Os números devem ser desafiadores para motivar a equipe, mas não exagere no otimismo, definir metas inatingíveis gera o impacto negativo da frustração da equipe, que entende não ser capaz de chegar aos resultados esperados.

No segundo momento, se você está desenvolvendo um meta para sua empresa, aqui é o momento de elencar as tarefas e quem será o responsável pelos desenvolvimentos das mesmas.

(R) REALISTIC: SEJA REALISTA

O (R) está muito relacionado com o (A) que falamos anteriormente: para definir objetivos atingíveis, você precisa conhecer a realidade do seu negócio (ou seja lá sobre o que você está fazendo).

Lembre-se que mesmo você conhecendo o seu potencial e das pessoas com quem está trabalhando, todos tem limitação. Entenda e coloque elas em mente, para não se sobrecarregar e não sobrecarregar alguém.

(T) TIMELY – DEFINA UM PRAZO

Planeje seu objetivo e defina uma data. Não dê muito tempo – isso pode te levar a começar uma procrastinação e no consequente abandono do projeto.

Caso não consiga entregues no prazo estipulado, avalie o que deu errado e refaça as estratégias, dessa vez com um prazo mais condizente.

 

7de71-1e9htovmvepwhemxwmmwxbq

 

Mãos a obra! Agora que você já descobriu como definir objetivos SMART, é hora de começar a trabalhar. A medida que você for criando o seu objetivo, novas dúvidas irão surgir, volte aqui no post para conferir, e se não conseguir mesmo assim, não hesite em entrar em contato.

MVP: Como testar uma hipótese de negócios gastando pouco – ou quase nada

Empresas grandes tem um grande acesso a capital financeiro e humano, desse modo conseguem desenvolver boas estratégias de lançamentos de novos produtos e mitigar os riscos da empresa. Já as Pequenas e Médias empresas não tem a mesma facilidade: geralmente possuem pouco capital, limitando a execução de suas estratégias. Escrevo esse artigo pensando nisso e mostrando a essa categoria de empresários, que é possível “copiar” ideias consagradas de grandes empresas sem gastar muito – ou quase nada.

Empresas de tecnologia, por trabalharem em um ambiente que existe agilidade de ação, não tem muito tempo para encubar a ideia de negócio: eles precisam de prática o mais rápido possível, para testar sua hipótese e assim conseguir desenvolver o produto/serviço de uma melhor maneira e se firmar no mercado com lucratividade. Pois bem, para isso, elas criaram uma metodologia que se chama MVP (Minimum Viable Product) ou Produto Minimamente Viável.

E é sobre essa metodologia, que muitas empresas grandes utilizam, que vou falar e mostrar como um pequena e média empresa pode usá-la para potencializar a hipótese de um novo produto.

Basicamente, um MVP é criar uma maneira de conseguir testar sua hipótese (de uma idéia de negócio ou de um novo produto/serviço) com um público, gerando receita já no começo, gastando o mínimo possível e com um produto que consiga mostrar ao seu possível público o conceito/valor que sua empresa quer passar com essa ideia.

Construindo um MVP

Um exemplo bem didático – e extremo: você quer criar um carro que não use combustível fóssil e que seja totalmente sustentável, decide por um MVP. O conceito/valor que você quer entregar para o seu público é o cuidado com o meio ambiente e um meio eficiente de se locomover. Portanto, a imagem abaixo, é um exemplo perfeito de como construir um MVP.

Sendo a imagem (1) o primeiro MVP e a imagem (5) o produto final.

A importância de cobrar

Lembre-se que sempre é necessário cobrar pelo seu produto nesse processo. É importante a cobrança porque é a partir dela que você irá entender se você está atendendo a um público certo e se você está conseguindo passar o “valor-conceito” adequado. E como o seu cliente estará pagando, ele te dará um feedback, caso seu produto o desagrade.

A diferença entre Amostra Grátis e MVP

Algumas pessoas podem acabar confundindo Amostra Grátis com MVP, mas essas duas estratégias são usadas para fins muito distintos. A primeira usa-se como forma de divulgação, uma estratégia de comunicação. Quando se está lançando a versão final de um produto, e a distribuição do mesmo será o chamariz para que os clientes possam experimentar o produto. Já o MVP – se você leu o texto até aqui – é outraaa coisa.

Ciclo: Construir – Medir – Aprender

Esse tripé é a sustentação do MVP. Através de uma hipótese de negócios, há a construção de um produto mínimo; leva-se a teste com um possível público-alvo; é criado um sistema de mensuração para que se valide ou não a ideia; e aprende-se com a validação ou não.

Caso haja validação, começa-se a fabricação do produto final e leva-se ao mercado. Caso não tenha validação, entende-se o motivo, é realizado ajustes necessários e começa o ciclo novamente.

Mão na massa

Agora que sabemos como criar um MVP, é só desenvolver melhor sua ideia e começar a construção. Um pequeno teste, antes de começar, se você está titubeando ao responder essas perguntas, você precisa melhorar sua hipótese, antes mesmo de fazer o MVP:

  1. Você sabe qual a sua proposta de valor ou porque os clientes compraram da minha empresa e não do concorrente?;
  2. Você está resolvendo uma “dor” ou um “problema real”? ;
  3. O valor que você irá cobrar as pessoas estarão dispostas a pagar, já que elas enxergam os benefícios?

Lembre-se: seja qual for sua ideia, sua empresa tem que existir para “resolver um problema”.

6w2h: Como colocar seu plano em ação

(Esse é um update de um post escrito em 2013, clique aqui para ler.)

Planejamento é necessário, na área empresarial é a palavra chave, seguida da execução (Não tem sentido gastar recursos ao fazer um planejamento e não colocar em execução). Muitas vezes o projeto não é colocado em prática por falta de ferramentas que ajudem na hora do desdobramento; falta de definição do que será feito, por quem, e até quando.

Vou falar de duas ferramentas que podem ajudar na hora da execução: 6W2H e SMART.

(Vou dividir esse artigo em dois: nesse falarei sobre o 6w2h e no próximo, falarei sobre o SMART)

Essas ferramentas podem ajudar a colocar em prática qualquer planejamento, pessoal ou para empresas. Desde o Plano de negócios até um Plano de internacionalização; de uma viagem ou até a compra de um carro.

Gosto da democratização de ferramentas administrativas, pois quanto mais empresários (principalmente os micro e pequenos) souberem, maior a chance de facilitar o desenvolvimento de negócios e consequentemente, a prosperidade dos mesmos.

Vamos detalhar as duas ferramentas, para todo mundo aprender e sair aplicando.

6W2H

O nome dessa ferramenta se dá porque ela é formada por palavras inglesas, que são: What, Why, Where, Who, When, With, How much e How.

Para começar a desenvolver essa ferramenta, primeiramente, você deve definir seu objetivo principal, na sequência, quebrá-lo em pequenas partes. Essas pequenas partes, deverão ser detalhadas em cada item do 6w2h.

What : o que fazer? Nesse item, será descrito o que a deve fazer, detalhadamente!

Why:Porque fazer? Descreva a relevância de fazer isso. Se você não consegue achar nada para responder esse item, provavelmente este item deve ser eliminado…

Where: Onde será feito? Neste item, deve ser especificado o local onde ocorrerá a ação.

Who:  Quem será o responsável pela ação?

When: Quando será feito? Deve ser estipulado o prazo máximo de entrega.

With: Com que recursos? Notem que foi usado a palavra recursos, que é bem abrangente, podendo se tratar de pessoas ou até mesmo dinheiro.

How much: Quanto vai custar essa ação?

How: Aqui será feito um detalhamento, tudo que não foi comentado até agora, será posto neste último item.

O Ideal é que seja feita a criação de uma planilha no excel, uma tabela em uma folha de sulfite ou até em uma folha maior, deixando ela de fácil acesso e visualização para todos os envolvidos.

—-

Certamente, a execução de qualquer planejamento será facilmente executado depois da apresentação dessas metodologias. Aqui, foi procurado passa-las de uma maneira muito didática, para fácil aplicação. Esperamos que seja de grande ajuda!

(Continua PARTE II, na próxima semana)

Parem de glamourizar o empreendedorismo

Empreender é um verbo muito importante. E muito falado nos últimos anos, muitas vezes falado pelo motivo errado, por isso, precisamos ter uma conversa sobre.

 

2000px-Stop.svg

Para começo de conversa, vamos começar definindo o que é “Empreendedorismo”. Vamos buscar o conceito através do tempo. A primeira vez que se usou a palavra foi no Século XVII, na França, ela estava ligada a expedições militares e significava: “assumir empreitada que exigia esforço e muito empenho”. Desde então, o mundo mudou, tivemos menos guerra, a sociedade floresceu, com ela as necessidades, muitos negócios tiveram que ser criados e “empreendedorismo” continuou a ter o mesmo significado, mas, o foco mudava.

Com o advento da internet, na verdade, após  massificação da mesma, a criação de negócios deixou de ser exclusividade daquele que tinha muito dinheiro e passou a ser também uma opção para aqueles que tinham uma ótima ideia de negócios e agora, da sua casa, sem muito riscos, podiam usar a internet como meio de encontrar parceiros, um meio de distribuição, meio de vendas e até um meio de se comunicar com um público especifico.

Esse “novo mundo”que a internet possibilitou, fez com que surgissem pessoas interessadas em ganhar dinheiro fácil. Nesse grupo podemos criar duas sub-classificações :  (1) Pessoas espertas no mau sentido e (2)Pessoas que se acham espertas.

Definido o conceito – de empreendedorismo – , contextualizando-o “brevemente” e mostrando os arquétipos surgidos, agora responderemos a pergunta: Por que devemos parar de glamourizar o empreendedorismo?

Hoje em dia, o Empreendedor é aquele (a) que está disposto a tirar uma ideia de negócios da cabeça e coloca-la em prática, assumindo uma empreitada que exige esforço e muito empenho. Nessa simples definição, fica claro que um empreendedor é muito mais “ação” do que “pensamentos”.

O que acontece é que o arquétipo definido acima – (1) Pessoas espertas no mau sentido – viram nisso um filão: tirar o empreendedorismo do status de “mola propulsora” do desenvolvimento de negócio e transformá-lo em “moda”, criando um sentimento de urgência, onde você precisa participar, porque se não… você está por fora da tendência. E claro, transformando isso em moda, criação de nichos de mercado proliferam: cursos para te ensinar a empreender; para desbloquear a criatividade; para ser um high stakes (sim, usar termos em inglês valoriza); para ser um empreendedor serial etc etc.

E claro que todo o mercado acima citado é criado para atrair o arquétipo (2)Pessoas que se acham espertas, aquelas pessoas que acham que descobriram um filão e após investir alguns reais nesses cursos acima, estarão aptas a serem empreendedores.

Agora, vou ter contar uma real: ser empreendedor, seguindo o raciocínio, é aquela pessoa que vai tirar uma ideia do papel e transformar em ação, trocando em miúdos: ele é um empresário. Sim, diminui o glamour, não é mesmo?!

Eu, particularmente sou um fervoroso defensor de pessoas empreendedoras, mas, não gosto de tentar dizer que é fácil, porque dizer isso causa ansiedade e frustração, quando a pessoas estiver na empreitada e como todo negócio pode gerar perdas financeiras. Ser empresário iniciante, é entender que você vai trabalhar mais que todo mundo que você vai contratar, provavelmente não vai ter férias, muitas vezes vai ganhar um salário menor do que você imaginava, vai lidar com pressão o tempo inteiro, vai ter que ser o gerente-limpeza-produçao-compras-marketing-financeiro-RH e ainda vai ter um sócio oculto: o governo! (Por que, sim, você paga muito imposto como empresário, independente do seu ramo.)

Portanto, não são todas as pessoas que tem um perfil empreendedor. Se você não se enquadra nesse perfil, não se preocupe! Você não vai estar fora da moda, você pode continuar a se preparar e desenvolver sua função na empresa em que trabalha de uma maneira maior do que usualmente exigem de você, você pode empreender dentro da sua própria função: ser um intraempreendedor. (Escreverei sobre isso depois, ok?!)

P.S – Existem muitas coisas boas na internet (cursos) para quem quer empreender, mas, é necessário filtrar.

Marketing e Neuromarketing: Como criar uma experiência positiva ao seu consumidor

Estou fazendo um curso de “Introdução a Neurociência do Consumidor e Neuromarketing”, em uma das aulas onde o assunto era “Memória e Aprendizado”, vi como nosso cérebro prega algumas peças, criando nas entrelinhas quando consumimos e vemos um produto.

A foto abaixo é de um experimento cientifico onde os pesquisadores davam aos pesquisados sempre o mesmo vinho, sem eles saberem. Cada vez que eles serviam uma taça, era informado o valor do vinho e o país de origem. Os pesquisados por sua vez deveriam tomar o vinho, fazer uma avaliação e em seguida, fazer uma ressonância magnética para que os pesquisadores pudessem ver de que maneira o cérebro estava se comportando.

Na conclusão da pesquisa, os pesquisadores verificaram que sempre que o vinho era supostamente de origem francesa e com o preço mais elevado, os pesquisados avaliavam com nota maior, em relação ao vinho de outros países e preço inferior. (Lembra que o vinho era sempre o mesmo?) E na ressonância, foi constatado que sempre após o consumo e a avaliação do vinho, uma parte do cérebro chamada hipocampo ficava ativada.

Após isso, eles concluíram que nosso cérebro, na hora de consumir um produto ou serviço, não julga somente por aquele serviço/produto, mas ele vai completar aquela experiência de consumo a partir de lembranças passadas + todo o contexto implícito que você está tentando passar.

O que podemos aprender com isso é entender que o consumidor quando vai até o seu ponto físico ou virtual para adquirir um produto/serviço, na verdade entende que isso – produto ou serviço – será somente um avatar de toda a experiência. O que o cérebro deixará gravado no hipocampo, será toda a experiência que será proporcionada (antes, durante e após a compra). Por isso precisamos ter alguns cuidados:

1 – Conhecer seu público

Toda empresa precisa conhecer seu público, não precisa saber o nome de todos os seus clientes. Conhecer, significa entender qual o perfil do público que traz pelos menos 80% das vendas da empresa.

Saber disso, é fundamental para criar um contexto adequado para o seu cliente relacionar lembranças positivas a esse evento.

Como fazer: Fazer um breve cadastro e cruzar com as vendas. Orientar para que a equipe de venda faça pequenas anotações para conseguir identificar o perfil desse público.

2 – Ter uma estratégia de marketing

A estratégia de marketing é que vai guiar todo os esforços da empresa para atingir o mercado desejado. É importante que a estratégia seja sempre pensando no longo prazo e feita de forma holística, entendendo o contexto no qual a empresa está inserida (crise financeira, aumento de inadimplência, dependências de fornecedores, são alguns dos exemplos que podem acabar com uma estratégia se elas forem ignoradas).

Como fazer: Primeiro passo, entender o contexto em que sua empresa está inserida. Fazer uma Análise PEST e 5 forças de Porter pode ser um bom caminho. Com o público definido, você vai desenvolver o seu produto especificamente para esse público, assim como entender o preço que trará uma adequação a sua lucratividade e o entendimento da imagem que você quer passar (luxo? bem de conveniência?), defina a distribuição (onde sua empresa estará inserida e como entregará esse produto) e qual será a forma como você comunicará com o cliente (online e offline).

3 – Se comunicar com o público de maneira adequada

Muitas empresas terceirizam a sua comunicação, principalmente em redes sociais, e essa comunicação que a empresa terceirizada cria, não tem aderência com a realidade da empresa. Por exemplo, muitas vezes o atendimento e as postagens nas redes sociais é muito bom, rápida e organizada, e no mundo físico, não é. Lembra que o seu consumidor está gravando todos os detalhes da experiência no hipocampo?

Como fazer: Criar uma conexão entre todos os canais de comunicação da empresa. Todos da equipe de venda precisam estar preparados para servir e entender as necessidades daquele cliente especifico, seja no mundo online ou offline. As redes sociais, precisam ser um primeiro contato e serão elas que trarão o cliente até sua loja (se você vende somente em ambiente físico). É necessário fazer uma mensuração de quão efetivo está sendo sendo as comunicações pagas (por exemplo, flyers, carro de som) para que elas não sejam feitas de maneira aleatórios. Lembre-se, tudo tem que estar conectado.

4 – Criar evidências físicas

Se você está vendendo um produto para um público mais abastado, não queira ter uma loja suja, produtos mal organizados ou até uma sacola muito simples. Desse modo, as evidencias físicas da sua loja, não estão corroborando com a imagem que seu cliente precisa ter. (Preciso te lembrar porque?)

Como fazer: Limpeza, organização e um cheiro bom na loja, vão conquistar qualquer tipo de cliente. Entendendo seu tipo de cliente, você precisa desenhar o layout pra conquista-lo, se for basicamente um público infantil, coloque produtos de valor agregado maior na altura dos olhos deles. Se for mulher, deixa a loja com um cheiro mais acentuado. Se for homem, separe por categorias e cores. Não esqueça de caprichar na fachada, ter impressos com o nome da loja, se possível uniformes. Bom atendimento também é uma evidencia física.

5 – Entender a jornada do seu cliente

Muitos empresários vendem o produtos, e acham que finalizou o ciclo. Na verdade, foi apenas um começo, se esse cliente não voltar, pode ser que o contexto não estava adequado. Portanto, preste atenção nos sinais.

Como fazer: Tente se colocar no lugar de seu cliente. Porque você decidiu comprar esse produto? quais são os concorrentes e porque os clientes comprariam aqui e não nós concorrentes (ou vice-versa)? Como eles gostariam de ser atendido na loja, o lauyout é claro o suficiente para eles? Como é o processo de pós venda? Existe, funciona? Como fideliza meus clientes? Achar respostas para essas perguntas é um bom começo.

Tempos atrás, esse texto não seria tão útil como é agora, explico, pouca concorrência nos deixavam menos exigentes e as empresa precisavam somente em produzir, distribuir e comunicar. Mas, essa tempo não existe mais. Essas pesquisas cientificas nos indicam o poder que o nosso cérebro tem no poder das compras. Entendendo isso, podemos começar a nos preparar para conseguir lidar com a criação de um bom contexto, criar uma memória expressiva e positiva na cabeça de nossos clientes.

#3 dicas de como melhorar nossa autoconfiança utilizando nossa linguagem corporal

Analisando os dados estatísticos desse blog, vi que o post mais lido de todos era o: 6 dicas para lidar com pessoas que duvidam da sua capacidade de ser bem sucedido. Percebi que a procura por esse post ou por assuntos relacionados a isso, não é uma questão externa e sim muito mais interna. Explico.

Quando achamos que existe alguém que tem dúvidas de nossa capacidade, isso com certeza, está nos afetando. Mas, isso só é um problema, não porque o outro está duvidando de você, mas porque nós mesmos não temos uma confiança suficiente para sermos “poderosos” e termos atitude de desenvolver nossos projetos pessoais e profissionais. Não estamos presente naquela ação, não existe uma integração – corpo + mente + atitude.

Esse medo do que o outro acha de nós mesmo e o quanto isso no atrapalha, é a soma de um conjunto de reações psicológicas, físicas e fisiológicas. Quando nosso corpo produz mais cortisol do que testosterona, nos sentimos menos poderosos e menos confiantes, consequentemente nosso nível de estresse aumenta. Quando isso acontece, não conseguimos ser pessoas confiantes, deixando muitas vezes nossa verdadeira capacidade oculta. Como mudar isso? Simples, de acordo com uma psicóloga e pesquisadora de Harvard, chamada Ammy Cuddy.

Cuddy, tem uma palestra em um Ted Talks, que deveria ter sua veiculação expandida a todos os canais abertos do mundo, sério, não estou exagerando. O estudo dela é tão profundo e transformador, que  merece ser compartilhado a todo mundo. Se você ainda não conhece o vídeo, clique aqui para assisti-lo.

Basicamente ela diz que nossa linguagem corporal afeta em muita nossa presença, e nossa presença, influi no resultado de nossa autoconfiança. Você deve estar se perguntando como melhorar nossa confiança, então sem mais delongas, algumas dicas, extraídas da palestra e do livro dela intitulado: O Poder da presença.

#Dica 1 – Postura

Antes de qualquer evento em que você precise diminuir seu nível de estresse e aumentar seu nível de poder, pratique poses de poder. Iguais as fotos abaixo:

mmaravilha

 

Mão na cintura, postura ereta e olhar altivo. Pratique isso por 2 minutos, e seu nível de cortisol terá diminuído e seu nível de testosterona aumentando, sua autoconfiança terá aumentado e bingo, seu desempenho será muito melhor.

#Dica 2 – Cutucão

Pense em quais os autocutucões que você pode se dar, para se pensar em si mesmo como uma pessoa melhor. Nos podemos modificar nosso futuro modificando nossa interação com o presente, de forma lenta e gradual. Se você tem medo de falar em público, ao invés de se fechar e nunca tentar falar em público, vá tentando gradualmente falar com mais pessoas, até conseguir falar com um público considerável. Pense em quais objetivos você não alcança por uma limitação criada na sua cabeça e como você pode criar pequenos estratagemas (ou cutucões) para vencer isso dia-a-dia.

#Dica 3 – Finja até conseguir

Essa dica é fácil, se você quer ser um ótimo professor por exemplo, comece a agir como um… se vista como um, fale como um, analise uma pessoa desse setor que você tenha identificação e admire e comece a imita-lo. Mesmo que no começo você pisa na bola e se decepcione, mas finja que você é aquela pessoa que você quer ser tornar… até que você não precise mais fingir e se torne um.

A própria Ammy Cuddy, deu inicio a essa pesquisa, porque ela tinha uma série de dificuldades, principalmente em relação a autoestima, ela não se achava capaz e se achava inferior a seus colegas. Isso foi o start da pesquisa, hoje ela é Professora em Harvard e tem um dos Ted Talks mais vistos do mundo. Comprovação de que o estudo não é cienticifismo, mas funciona.

300 coisas gratuitas e sensacionais para empreendedores

Adianto que a lista abaixo não é de minha autoria! Na verdade, a versão original dela é em inglês e se encontra aqui .


Nessa lista, você encontra muita coisa útil, principalmente se você está começando sua empresa agora e quer criar tudo aos poucos no melhor estilo “faça você mesmo” – e gastando pouco.

 

→ Business + Marketing ←

A. WEBSITE GRATUITO + LOGO + HOSPEDAGEM + INVOICES

B. GERADORES DE NOMES PARA NEGÓCIOS E PROJETOS

  • The Name AppEncontre um nome disponível para sua brilhante ideia.
  • Naminum: Descubra o nome perfeito para sua empresa.
  • Short Domain Search: Nomes de domínios curtos e com uma só palavra à disposição.
  • Wordoid: Escolha um nome curto e chamativo para o seu negócio.
  • Hipster Business Name: Gerador de nome de empresas hipsters.
  • ImpossibilityO melhor gerador de nomes de domínios de todos os tempos
  • Lean Domain SearchEncontre um nome de domínio para seu site em questão de segundos.
  • Domainr:Busca rápida e gratuita de nomes de domínio. URLs curtos.

C. TEXTOS / BLOGS

  • Hemingway: Este app torna sua escrita em inglês mais clara e impactante.
  • Grammarly: Localiza e corrige erros gramaticais em inglês.
  • Medium: Traga suas histórias e ideias.
  • ZenPen: Um processador de texto mínimo na web.
  • Liberio: Criação e publicação de ebooks, direto do Google Drive.
  • Editorial Calendar: Veja todos seus posts. Arraste e solte para organizar o seu blog.
  • Story Wars: Escreva histórias coletivamente.
  • Headline Analyzer: Analisa o valor de marketing emocional de manchetes (em inglês).
  • WP Hide Post: Controle a visibilidade de itens em seu blog.
  • Social Locker: Peça aos visitantes para “pagar” pelo seu conteúdo com um tweet, etc.
  • Egg Timer: Crie um timer e salve nos favoritos para usar novamente.

D. IDEIAS E TENDÊNCIAS DE CONTEÚDO

E. SEO GRÁTIS + ANÁLISE DE WEBSITES

F. OTIMIZADORES DE IMAGENS GRATUITOS

  • TinyJPG | TinyPNG Compactação de imagens.
  • Compressor.io:Otimização e compactação de imagens online.
  • Kraken: Otimize suas imagens e acelere seu site.
  • ImageOptimizer: Redimensione e diminua o tamanho dos seus arquivos de imagem.
  • ImageOptim: Faz as imagens ocuparem menos espaço em disco, tornando-as mais rápidas de carregar.
  • Smush.it: Plugin do WordPress para otimização de imagens.

G. EDITORES DE IMAGENS GRATUITOS

  • Canva: Design gráfico extremamente simples para blogueiros.
  • Pixlr:O Pixlr Editor é um editor de fotos robusto que pode ser acessado no seu browser.
  • Skitch: Transmita sua mensagem com menos palavras.
  • Easel.ly: Estimula a criação e compartilhamento de recursos visuais belos.
  • Social Image Resizer Tool: Crie imagens otimizadas para mídias sociais.
  • Placeit: Modelos e templates grátis para produtos.
  • Recite: Transforme uma citação em uma obra de arte visual.
  • Meme Generator: O primeiro gerador online de memes.

H. COLETA & ENVIO DE EMAILS GRÁTIS

I. MÍDIA SOCIAL GRATUITA + GESTÃO DE COMUNIDADES + PESQUISAS

  • WriteRack: A forma mais fácil de blogar/tuitar.
  • Spruce: Crie imagens prontas para o Twitter em segundos.
  • Click To Tweet: Ganhe mais compartilhamentos para seu conteúdo.
  • MyTweetLinks: Aumenta o tráfego no Twitter.
  • LatergramFaça o planejamento e o agendamento dos seus posts no Instagram com facilidade.
  • WordPress Pin it Button for Images: Adicione um botão “Pin It”.
  • SharedCount: Rastreamento dos compartilhamentos, curtidas, tweets e outras métricas de um URL.
  • Justunfollow: Para seguir / parar de seguir pessoas no Twitter.
  • SocialRank: Identifique, organize e gerencie seus seguidores no Twitter.
  • Klout: Escore de influência da mídia social em uma extensão para seu navegador.
  • Ritetag: Análise instantânea de hashtags.
  • Social Analytics: Interações de um URL na maioria das plataformas sociais.
  • Riffle: Perfil e informações completas de um usuário do Twitter.
  • Buffer Free Plan: Agende posts no Twitter, Facebook, Linkedin, Google+.
  • Bitly: Crie, compartilhe e rastreie links reduzidos.
  • Flament: Uma barra de compartilhamentos gratuita, bela e personalizável.
  • Addthis: Consiga mais compartilhamentos, seguidores e conversões.
  • Sumome Share: Otimiza automaticamente seus botões de compartilhamento para atingir o máximo de tráfego.
  • Digg Digg: Plugin para todos seus botões de compartilhamento.
  • Disqus: Construa uma comunidade de leitores e comentaristas ativos.
  • Typeform: Criação de belas pesquisas online & construção de formulários .
  • Tally: Crie pesquisas rapidamente.

J. TESTES A/B & GROWTH HACKING

  • Petit Hacks: Hacks de aquisição, retenção e renda usados por empresas.
  • Optimizely: Plataforma de otimização para websites e apps.
  • Hello Bar: Ferramenta para testes A/B com diferentes CTAs & palavras de impacto.
  • GrowthHackers: Possibilitando o crescimento. Juntos.

Ícone por Simple Icons http://thenounproject.com/term/web-design/32232/

→ Design + Código ←

A. RECURSOS DE DESIGN GRATUITOS

  • FreebbbleItens grátis de alta qualidade no Dribbble.
  • Dribbble: Resultados de busca para “freebie” no Dribbble. Um tremendo acervo de freebies.
  • Graphic Burger: Saborosos recursos de design feitos com carinho em cada pixel.
  • Pixel Buddha: Recursos gratuitos e recursos premium para profissionais.
  • Premium Pixels: Itens grátis para criativos.
  • Fribbble: Recursos gratuitos de PSD feitos pelo pessoal do Dribbble, organizados por Gilbert Pellegrom.
  • Freebiesbug: Os mais recentes PSDs gratuitos & outros recursos para designers.
  • 365 Psd: Baixe um PSD gratuito por dia.
  • Dbf: Os melhores freebies de design do Dribbble e Behance.
  • Marvel: Recursos gratuitos dos designers que amamos.
  • UI Space: Freebies de alta qualidade feitos à mão por pessoas geniais.
  • Free Section of Pixeden: Recursos gratuitos de design.
  • Free Section of Creative Market: Um novo freebie toda segunda-feira.
  • Teehan+Lax: DiOS 8 GUI PSD (iPhone 6).
  • Teehan+Lax: iPad GUI PSD.
  • Freepik: Recursos gráficos gratuitos para todos.
  • Tech&All: PSD, notícias de tecnologia e outros recursos grátis.
  • Tethr: O mais lindo kit de design para o iOS que existe.

B. SELETORES DE CORES

C. INSPIRAÇÃO

  • MaterialUp: Inspiração diária para Material Design.
  • FLTDSGNUma exibição diária dos melhores exemplos de flat design em sites e apps.
  • Site Inspire: Inspirações para webdesign.
  • UI Cloud: O maior banco de dados de design de interface no mundo.
  • Moodboard: Crie um belo moodboard (painel semântico) e compartilhe o resultado.
  • Crayon: A mais completa coleção de marketing design.
  • Land-Book: Galeria de landing pages.
  • Ocean: Uma comunidade de designers que compartilham feedbacks.
  • Dribbble: Conheça o trabalho de designers.
  • Behance: Apresente e descubra trabalhos criativos.
  • Pttrns: Padrões de interfaces do usuário para dispositivos móveis.
  • Flat UI Design: Um painel útil que descobri graças a Erik.
  • Awwwards: A premiação para o design, a criatividade e a inovação.
  • The Starter Kit: Seleção de recursos para desenvolvedores e designers.
  • One Page Love: Um recurso para inspiração em sites “one page”.
  • UI Parade: Ferramentas de design de UI + inspiração em design.
  • The Best Designs: O melhor do webdesign.
  • Agile DesignersOs melhores recursos para designers e desenvolvedores.
  • Niice: Um site de busca com bom gosto.

D. BANCOS DE IMAGENS GRATUITOS

E. TIPOGRAFIA GRATUITA

  • TypeGenius: Encontre a combinação perfeita de fontes para seu próximo projeto.
  • Font Squirrel: Fontes comerciais 100% gratuitas.
  • FontFaceNinja: Extensão para o browser que localiza as fontes utilizadas por um site.
  • Google Fonts: Fontes gratuitas de código aberto, otimizadas para a web.
  • Beautiful Web Type: Os melhores tipos do diretório de fontes do Google.
  • DaFont: Um arquivo de fontes gratuitas para baixar.
  • 1001 Free Fonts: Uma enorme coleção de fontes gratuitas.
  • FontPark: O maior arquivo de fontes da web.
  • Font-to-width: Acomode trechos de texto em seus respectivos espaços.

F. ÍCONES GRATUITOS

G. ITENS ÚTEIS E GRATUITOS

  • UI Names: Gerador de nomes aleatórios para uso em design de peças e modelos.
  • UI Faces: Encontre e crie amostras de fotos de avatar para interfaces do usuário
  • UI Blurbs: Rápidas biografias de usuários para usar em seus modelos.
  • Copy Paste Character: Clique para copiar.
  • Window Resizer: Veja como algo se parece em várias resoluções de tela.

Ícone por Luboš Volkov http://thenounproject.com/term/check-list/20936/

→ Trabalho & Produtividade←

A. SOM PARA AJUDAR NA CONCENTRAÇÃO

  • NoisliRuído de fundo e gerador de cores.
  • Noizio: Equalizador de som ambiente para relaxamento e produtividade.
  • Defonic: Junte os sons do mundo para formar uma melodia.
  • Designers.mx: Playlists selecionadas feitas por designers, para designers.
  • Coffitivity: Toque os sons de uma cafeteria.

B. FERRAMENTAS PARA EVITAR DISTRAÇÕES

  • Self ControlMac: aplicativo gratuito para ajudá-lo a evitar sites que o distraem.
  • Cold Turkey: Windows: bloqueie temporariamente os sites que causam distração.

C. ORGANIZAÇÃO & COLABORAÇÃO

  • Trello: Tome nota de tudo.
  • Evernote: O espaço de trabalho da sua vida.
  • Dropbox: Espaço gratuito até 2GB.
  • Yanado: Gerenciamento de tarefas dentro do Gmail.
  • Wetransfer: Transferências gratuitas de arquivos, até 2GB.
  • Drp.io: Hospedagem rápida, privada, gratuita e fácil de arquivos e imagens.
  • Pocket: Veja depois: guarde no Pocket.
  • Mailtoself: Uma extensão para o iOS que envia recados a você de qualquer aplicativo.
  • List.ly: Para descobrir e criar grandes listas.
  • MarkticleMarque o progresso da sua leitura de artigos para continuar mais tarde.

D. NÔMADES DIGITAIS & TRABALHO À DISTÂNCIA

  • Nomadlist: As melhores cidades para viver e trabalhar remotamente.
  • Where Nomads at: Encontre nômades digitais e viajantes do mundo inteiro.
  • Nomad Jobs: Os melhores trabalhos à distância nas melhores startups.
  • What’s It Like: Ajudando os viajantes a decidir QUANDO partir.

Ícone por New Haircut http://thenounproject.com/term/mark/97562/

→ Descoberta & Aprendizado←

A. FERRAMENTAS DE DESCOBERTA & STARTUPS

  • Product Hunt: Curadoria dos melhores produtos novos, todos os dias.
  • Angellist: Onde o mundo encontra startups.
  • Beta List: Descubra e tenha acesso pioneiro às startups do futuro.
  • StartupLi.st: Encontre. Siga. Recomende startups.
  • Startups List: Coleções das melhores startups em diferentes locais.
  • Erli Bird: Onde nascem excelentes produtos.

B. CRIAÇÃO EM EQUIPE

  • Assembly: Co-criação de novas ideias, não importa onde estejam.
  • CoFoundersLab: Encontre um co-fundador em qualquer cidade e qualquer indústria.
  • Founder2be: Encontre um co-fundador para a sua startup.

C. APRENDIZADO

  • Skillshare: Liberte sua criatividade com aulas e projetos gratuitos na web.
  • Khan Academy: Educação gratuita de nível internacional para qualquer pessoa, em qualquer lugar.
  • Coursera: Cursos gratuitos pela Internet, oferecidos por mais de 80 universidades e instituições de destaque.
  • Codecademy: Aprenda a programar interativamente, de graça.
  • Como abrir uma startup: Podcast em áudio ou Curso online
  • Startup Notes: Startup Notes convida grandes fundadores a contarem suas histórias.
  • The How: Aprenda com empreendedores
  • Launch This Year: Um guia para ajudá-lo a lançar seu negócio online.
  • Closed Club: Pesquise startups que encerraram suas atividades e aprenda porque fizeram isso.
  • Startup Talks: Uma seleção de vídeos sobre startups.
  • Rocketship.fm: Aprenda com empreendedores de sucesso toda semana.
  • reSRC.io: Todos os recursos gratuitos para aprender programação.

D. NEWSLETTERS QUE NÃO SÃO UM SACO

E. UTILIDADES