Mais jardins, menos edifícios

Projetos reais começam com um sentimento de ser um “edifício”. Na construção de um edifício existem arquitetos, materiais, pessoal, prazos, autorizações, engenheiros, estrutura.

Essa construção funciona ou não, sem meio termo.

Na verdade, grandes projetos, como a carreira profissional ou relacionamento que duram, são “jardins”. Tem que plantar, regar, ter tempo, aí, eles nascem, mudam e crescem. Eles suportam o tempo, ganhando personalidade, conforme é ambiente em que ele está. Quando algo morre ou desaparece, temos que podar, replantar e esperar crescer novamente.

Perfeição e polidez são quase tão importante quanto uma boa luz, boa irrigação e um jardineiro apaixonado.

Construa edifícios… Mas, não ache que é suficiente! Transforme em um jardim, porque é aí que você vai crescer.

Anúncios

[Review] O poder do hábito.

O despertador toca, você desliga, levanta, vai até o banheiro, toma banho, escova o dente, troca de roupa e vai para o trabalho. Só nesse pequeno período de tempo, seu cérebro teve que tomar várias decisões: como eu vou levantar? com o pé direito ou o esquerdo? com que mão eu pego a escova, quanto de pasta eu vou colocar na escova, qual a pressão que vou aplicar para escovar os dentes!

Por conta disso, o cérebro acaba transformando essas tarefas rotineiras, que são executadas com certa frequência em um hábito. Dessa maneira, nós não 0 sobrecarregamos com tarefas que não tem relevância intelectual.

Charle Duhigg, é um repórter investigativo do The New York Times e escreveu esse livro(O Poder do hábito) justamente para verificar e analisar o quão importante é a criação, manutenção e a troca de hábitos. No começo do texto, demos exemplo básicos de hábitos, mas ele pode estar e ser em aspectos variados de nossas vidas, como: comer doces compulsivamente, gastar idem, ser um alcoólatra, todos esses itens podem ser considerados hábitos, e a partir do momento que conhecemos o que é um, conseguiremos identificar os nossos e até mesmo modificar os hábitos que só nos prejudicam.

Duhigg escreve o livro em uma forma leve e interessante, a leitura revela-se leve e flui com uma certa facilidade, apesar de ser um assunto um tanto quanto complexo e profundo. Antes de nos mostrar como podemos modificar um hábito, ele nos traz o resultados de sua investigação sobre o hábito e o quanto ele pode ser favorável e prejudicial.

O livro começa falando de Lisa Allen, fumante desde os 16 anos, com dívidas além do seu poder aquisitivo, obesa, e no currículo a mais longa permanência no emprego:1 ano. Uma pessoa cheia de hábito nocivos. Um determinado dia, ela decide fazer um regime. Passa-se dois anos, e o autor encontra outra Lisa: ela correra uma maratona, estava com seu peso ideal, conseguirá se livrar das dívidas e ainda alcançara o posto de Gerente nos seu emprego. Uma mudança e tanto! Tudo isso foi possível, porque ela resolveu mudar um hábito: comer menos. Essa hábito fez com que toda a sua vida mudasse, porque para ela comer menos, ela teria que ser mais controlada emocionalmente, isso fez com ela criasse o hábito se exercitar… e assim sucessivamente!

111949251SZ

Com certeza, não é fácil mudar um hábito, mas entendendo a maneira como a criação de um ocorre, fica mais fácil a mudança.

Para que um certo padrão de comportamento se transforme em um hábito, precisamos de uma sequência: DEIXA > ROTINA > RECOMPENSA. O que significa cada item? vejamos. Vamos ver a formação de um hábito negativo. Maria está com um problema em sua casa, e como ela não está bem(DEIXA), ela resolve beber algo com álcool. Quando ela bebeu pela primeira vez, ela sentiu uma sensação boa, esqueceu de seus problemas. Com isso ela passou a beber sempre que acontecia algo que a chateava porque assim(ROTINA), ela esquecia da situação(RECOMPENSA), até chegar um ponto que beber, se tornou um hábito.

No exemplo acima, utilizamos um exemplo de criação de hábito negativo, mas substitua por hábito positivo e você terá o mesmo LOOP = DEIXA > ROTINA > RECOMPENSA. Para cria um novo hábito, vamos deixar uma dica. Escolha um objetivo mensurável, escolha um deixa, e por fim um recompensa. Por exemplo, você quer ler todo dia por uma hora, durante 30 dias(objetivo mensurável). Você vai fazer isso, todo dia, no horário da novela das 21:00 horas(deixa). No final de 30 dias, você terá mais cultura e terá aprendido algo novo(recompensa).

Com esse post, quisemos resumir o livro, e passar dicas sobre a criação de hábitos, com certeza, para quem é empreendedor isso é de extrema importância, porque sempre temos alguns padrões de comportamentos negativos, que não nos trazem resultados positivos. Conhecendo o que é um, fica muito mais fácil modificá lo.

Quando falta humildade…

A fila do banco é um local altamente favorável a encontrar alguém que você conhece. E, de quebra, é uma lugar onde você escuta todo tipo de conversa – sem moralismos, dizendo que é feio escutar a conversas de outros, a não ser que você leve um tampão para os ouvidos – e hoje, presenciei uma beeem interessante, que não podia deixar de figurar no nosso espaço.

Aqui no Paraná, temos um projeto que se chama “Bom negócio Paraná”, que é basicamente, uma capacitação para empresários, bem como uma consultoria em qualquer setor de sua empresa, que necessite, sem custos! e o melhor: se precisar, você tem uma linha de empréstimos, com juros subsidiados pelo governo do Estado, ou seja, melhor e menor taxa do mercado. Para fazer parte desse projeto, você deve realizar um curso, onde são abordados aspectos de gestão, que podem ser crucial para o sucesso de sua empresa.

Fila de banco pode ser um aprendizado
Fila de banco pode ser um aprendizado

A conversa que presenciei hoje, foi de dois alunos desse projeto. Sem dar nome “aos bois”, vou chamar um de pessoa “A” e o outro de pessoa “B”.

“A” pergunta para “B” o que ela está achando do curso, e ela prontamente responde:

-Ah, não estou gostando muito… porque tudo que o professor fala no curso, eu já sei…

Bom, se a pessoa já sabe de T-U-D-O, então ela deve ser a senhora Gestão… e ela está mais interessado no fim(empréstimo) do que o meio(curso), conclui-se. Mas, após algum tempo de conversa, eis que surge:

-Bom, vou fechar minha loja… não estou conseguindo pagar as despesas fixas… se você souber de alguém que queira comprar…

como uma pessoa que sabe de tudo sobre gestão, não conseguiu salvar sua própria empresa?
Como uma pessoa que sabe de tudo sobre gestão, não conseguiu salvar sua própria empresa?

Então, surgiu uma enorme questão em minha cabeça: como uma pessoa que sabe de tudo sobre gestão, não conseguiu salvar sua própria empresa?

A moral que eu gostaria de levantar aqui com esse enredo, é a bandeira que eu sempre prego: aprendizado. Entre outras coisas, só podemos ser bem sucedidos em nossos projetos em nossa vida, principalmente em se tratando de empreendimentos, com aprendizado, e ele só vem quando adotamos uma postura de humildade. Quando admitimos que não sabemos de tudo, e por mais experientes que somos, de qualquer situação, podemos extrair algo. Se você está vivendo uma situação, e não consegue achar nada de aprendizado, cuidado! A falha pode estar em você. Empreendedor precisa ter a mente aberta, dessa forma, surgirão resoluções de problema e novas oportunidades de negócio.

Quando falta humildade… o crescimento é nulo.