YWN: Como essa sigla pode ser a chave para sua empresa criar “evangelistas”

A internet possibilitou muitas coisas positivas as empresas, entre elas, o poder de igualar marcas grande e pequenas, principalmente no que tange ao atendimento de um público grande. Hoje, as empresas que conseguem criar uma presença digital, com uma estratégia de atendimento integrada entre os canais online e offline, conseguem criar defensores fieis de sua marca, e consequentemente, aumentam alguns dígitos no seu faturamento.

Quando se trata de criar clientes leais e que defendam e sejam evangelistas da marca no mundo digital, nem todos os clientes são iguais. Alguns segmentos dependem de suas próprias preferências pessoais e do que eles ouvem; assim, a defesa não é importante para eles. Outros, não compartilham sua experiência, satisfeitos ou não. Finalmente, alguns segmentos têm maior tendência a pedir e dar recomendações sobre as marcas. Eles são aqueles que são mais propensos a ser defensores leais e evangelistas da marca.

thumbs_77

Philip Kotler, em seu livro Marketing 4.0, traça uma panorama de três grandes grupos e que após entender cada um, a estratégia de marketing da empresa pode ser definida como objetivo de conquistar tal grupo. Em inglês, esse grupo é conhecido pela sigla YWN (Youth, Women, Netizen). Veremos cada um dos grupos abaixo:

 

Jovens: Mente

Em 2014, foi registado a marca de 1.8 bilhões de pessoas no mundo com idade entre 10 a 24 anos. Maior quantidade de pessoas com essa idade na história mundial e o crescimento continua.

90% dessa população acima, mora em países em desenvolvimento. Isso significa que eles estão enfrentando dificuldades para aumentar o salário e ter uma escalada social. Por isso só, já bastaria para que marcas e empresas ficassem de olho nesse grupo.

Esse público é de fácil engajamento, as marcas precisam de comunicar de maneira bem informal, focando em redes sociais e tecnologia, inovação e celebridades (principalmente as vindas do mundo digital).

Esse grupo na sua grande maioria, podem ser considerados early adopters. Isso significa que eles gostam de surfar as tendências no inicio, não tem medo de experimentar ou pagar caro. Foram por causa deles que empresa e serviços como o – agora extinto- Ipod, Netflix, WhatsApp e até o Spotify deram certo. O que outros ficavam reticentes em experimentar, eles queriam ser os primeiros.

Eles também podem ser considerados formadores de tendências. Que logo serão naturalmente seguida pela população geral. Da mesma maneira que eles podem fazer uma tendência nascer e desenvolver, eles também tem o poder de fazê-la morrer rapidamente.

Aquele estigma que Jovens eram linkados com irresponsabilidade, mudou. Hoje, eles são engajados em causas sociais e querem fazer a diferença no mundo, eles estão mais preocupados com o que acontece ao mundo em sua volta. Veja o exemplo das manifestações políticas encabeçadas por eles.

Isso tudo leva a conclusão de que eles são a chave para influenciar o restante da população/clientes.

Mulheres – Market Share

Mulheres são um grupo que cada vez mais cresce, não em número, mais em influencia, na casa e no trabalho. Eles podem ser dividas em três grupos: donas de casas; donas de casas que planejam trabalhar fora; e que trabalham fora. O dilema que ela precisa sempre resolver é a família x carreira.

Elas compram de maneira diferente, primeiro elas coletam informações sobre a marca e o produto; pesquisam qualidade, preço, características. Fazem essa pesquisa primeiro, online, e depois offline. Elas são compradoras holísticas.

Nessa pesquisa, tudo é considerado: benefícios funcionais, benefícios emocionais e preço. Elas consideram a interação de cada membro da família com a marca e com o produto, antes da compra.

Não são fiéis a marcas e arriscam comprar de marcas não muito conhecidas, desde que passem no critérios criado por elas, naquele momento. Como elas são mais confiantes na hora da compra, eles fazem recomendações do produto-serviço-marca sem medo, essa recomendações podem ser feitas online o offline. Naturalmente, elas são coletoras de informações.

Pesquisas feitas no mundo todo revelam que em média elas são as responsáveis pelas finanças e compras da família, mesmo que elas não contribuam com salário.

Portanto, se sua empresa está querendo aumentar o market share, o seu foco deve ser esse grupo.

Netizens – Coração

Netzen é uma palavra criada pelo junção de duas outras: internet + cidadão. Traduzindo, poderíamos entender como “cidadão da internet”. Esse grupo soma 45% da população mundial ou 3.4 bi de pessoas!

Esse termo foi criado em 1990, por Michael Hauben, ele defini isso como “pessoas através  da internet, além de fronteiras, que se preocupam e trabalham ativamente para desenvolver o mundo e o transformar em um lugar melhor, através da rede. Isso pode acontecer através de fóruns, redes sociais, canais do youtube, Blogs etc.

A hierrarquia desse grupo é a seguinte: 1 – Inativos: espectadores, assistem e lêem conteúdo; 2 – Joiners: Participam ativamente de redes sociais; 3 – Coletores: Usam agregadores de rss, feeds, salvam links, e lêem muitos blogs e sites, além de assinar vários canais do YouTube; 4 – Críticos: Postam comentários em tudo; 5 – Criadores: Criam e publicam conteúdo.

Se sua marca ou empresa precisa de criar uma conexão e ter um grupo para advogar pela sua marca, foque nos Coletores, Críticos e Criadores. Esses grupos tem a capacidade de acabar com a reputação de uma marca, já que se eles não entenderem o objetivo de uma ação da mesma, eles podem começar a criar um “barulho” negativo.

Juntos, YMN – ou Jovens, Mulheres e Netizens – podem ser a chave para criar evangelistas e conquistar o coração, a mente e uma parcela do mercado.

 

Referência consultada:

Marketing 4.0 Moving from Traditional to Digital, Philip Kotler, Hermawan Kartajaya e Iwan Setiawan

 

Anúncios

Marketing e Neuromarketing: Como criar uma experiência positiva ao seu consumidor

Estou fazendo um curso de “Introdução a Neurociência do Consumidor e Neuromarketing”, em uma das aulas onde o assunto era “Memória e Aprendizado”, vi como nosso cérebro prega algumas peças, criando nas entrelinhas quando consumimos e vemos um produto.

A foto abaixo é de um experimento cientifico onde os pesquisadores davam aos pesquisados sempre o mesmo vinho, sem eles saberem. Cada vez que eles serviam uma taça, era informado o valor do vinho e o país de origem. Os pesquisados por sua vez deveriam tomar o vinho, fazer uma avaliação e em seguida, fazer uma ressonância magnética para que os pesquisadores pudessem ver de que maneira o cérebro estava se comportando.

Na conclusão da pesquisa, os pesquisadores verificaram que sempre que o vinho era supostamente de origem francesa e com o preço mais elevado, os pesquisados avaliavam com nota maior, em relação ao vinho de outros países e preço inferior. (Lembra que o vinho era sempre o mesmo?) E na ressonância, foi constatado que sempre após o consumo e a avaliação do vinho, uma parte do cérebro chamada hipocampo ficava ativada.

Após isso, eles concluíram que nosso cérebro, na hora de consumir um produto ou serviço, não julga somente por aquele serviço/produto, mas ele vai completar aquela experiência de consumo a partir de lembranças passadas + todo o contexto implícito que você está tentando passar.

O que podemos aprender com isso é entender que o consumidor quando vai até o seu ponto físico ou virtual para adquirir um produto/serviço, na verdade entende que isso – produto ou serviço – será somente um avatar de toda a experiência. O que o cérebro deixará gravado no hipocampo, será toda a experiência que será proporcionada (antes, durante e após a compra). Por isso precisamos ter alguns cuidados:

1 – Conhecer seu público

Toda empresa precisa conhecer seu público, não precisa saber o nome de todos os seus clientes. Conhecer, significa entender qual o perfil do público que traz pelos menos 80% das vendas da empresa.

Saber disso, é fundamental para criar um contexto adequado para o seu cliente relacionar lembranças positivas a esse evento.

Como fazer: Fazer um breve cadastro e cruzar com as vendas. Orientar para que a equipe de venda faça pequenas anotações para conseguir identificar o perfil desse público.

2 – Ter uma estratégia de marketing

A estratégia de marketing é que vai guiar todo os esforços da empresa para atingir o mercado desejado. É importante que a estratégia seja sempre pensando no longo prazo e feita de forma holística, entendendo o contexto no qual a empresa está inserida (crise financeira, aumento de inadimplência, dependências de fornecedores, são alguns dos exemplos que podem acabar com uma estratégia se elas forem ignoradas).

Como fazer: Primeiro passo, entender o contexto em que sua empresa está inserida. Fazer uma Análise PEST e 5 forças de Porter pode ser um bom caminho. Com o público definido, você vai desenvolver o seu produto especificamente para esse público, assim como entender o preço que trará uma adequação a sua lucratividade e o entendimento da imagem que você quer passar (luxo? bem de conveniência?), defina a distribuição (onde sua empresa estará inserida e como entregará esse produto) e qual será a forma como você comunicará com o cliente (online e offline).

3 – Se comunicar com o público de maneira adequada

Muitas empresas terceirizam a sua comunicação, principalmente em redes sociais, e essa comunicação que a empresa terceirizada cria, não tem aderência com a realidade da empresa. Por exemplo, muitas vezes o atendimento e as postagens nas redes sociais é muito bom, rápida e organizada, e no mundo físico, não é. Lembra que o seu consumidor está gravando todos os detalhes da experiência no hipocampo?

Como fazer: Criar uma conexão entre todos os canais de comunicação da empresa. Todos da equipe de venda precisam estar preparados para servir e entender as necessidades daquele cliente especifico, seja no mundo online ou offline. As redes sociais, precisam ser um primeiro contato e serão elas que trarão o cliente até sua loja (se você vende somente em ambiente físico). É necessário fazer uma mensuração de quão efetivo está sendo sendo as comunicações pagas (por exemplo, flyers, carro de som) para que elas não sejam feitas de maneira aleatórios. Lembre-se, tudo tem que estar conectado.

4 – Criar evidências físicas

Se você está vendendo um produto para um público mais abastado, não queira ter uma loja suja, produtos mal organizados ou até uma sacola muito simples. Desse modo, as evidencias físicas da sua loja, não estão corroborando com a imagem que seu cliente precisa ter. (Preciso te lembrar porque?)

Como fazer: Limpeza, organização e um cheiro bom na loja, vão conquistar qualquer tipo de cliente. Entendendo seu tipo de cliente, você precisa desenhar o layout pra conquista-lo, se for basicamente um público infantil, coloque produtos de valor agregado maior na altura dos olhos deles. Se for mulher, deixa a loja com um cheiro mais acentuado. Se for homem, separe por categorias e cores. Não esqueça de caprichar na fachada, ter impressos com o nome da loja, se possível uniformes. Bom atendimento também é uma evidencia física.

5 – Entender a jornada do seu cliente

Muitos empresários vendem o produtos, e acham que finalizou o ciclo. Na verdade, foi apenas um começo, se esse cliente não voltar, pode ser que o contexto não estava adequado. Portanto, preste atenção nos sinais.

Como fazer: Tente se colocar no lugar de seu cliente. Porque você decidiu comprar esse produto? quais são os concorrentes e porque os clientes comprariam aqui e não nós concorrentes (ou vice-versa)? Como eles gostariam de ser atendido na loja, o lauyout é claro o suficiente para eles? Como é o processo de pós venda? Existe, funciona? Como fideliza meus clientes? Achar respostas para essas perguntas é um bom começo.

Tempos atrás, esse texto não seria tão útil como é agora, explico, pouca concorrência nos deixavam menos exigentes e as empresa precisavam somente em produzir, distribuir e comunicar. Mas, essa tempo não existe mais. Essas pesquisas cientificas nos indicam o poder que o nosso cérebro tem no poder das compras. Entendendo isso, podemos começar a nos preparar para conseguir lidar com a criação de um bom contexto, criar uma memória expressiva e positiva na cabeça de nossos clientes.

300 coisas gratuitas e sensacionais para empreendedores

Adianto que a lista abaixo não é de minha autoria! Na verdade, a versão original dela é em inglês e se encontra aqui .


Nessa lista, você encontra muita coisa útil, principalmente se você está começando sua empresa agora e quer criar tudo aos poucos no melhor estilo “faça você mesmo” – e gastando pouco.

 

→ Business + Marketing ←

A. WEBSITE GRATUITO + LOGO + HOSPEDAGEM + INVOICES

B. GERADORES DE NOMES PARA NEGÓCIOS E PROJETOS

  • The Name AppEncontre um nome disponível para sua brilhante ideia.
  • Naminum: Descubra o nome perfeito para sua empresa.
  • Short Domain Search: Nomes de domínios curtos e com uma só palavra à disposição.
  • Wordoid: Escolha um nome curto e chamativo para o seu negócio.
  • Hipster Business Name: Gerador de nome de empresas hipsters.
  • ImpossibilityO melhor gerador de nomes de domínios de todos os tempos
  • Lean Domain SearchEncontre um nome de domínio para seu site em questão de segundos.
  • Domainr:Busca rápida e gratuita de nomes de domínio. URLs curtos.

C. TEXTOS / BLOGS

  • Hemingway: Este app torna sua escrita em inglês mais clara e impactante.
  • Grammarly: Localiza e corrige erros gramaticais em inglês.
  • Medium: Traga suas histórias e ideias.
  • ZenPen: Um processador de texto mínimo na web.
  • Liberio: Criação e publicação de ebooks, direto do Google Drive.
  • Editorial Calendar: Veja todos seus posts. Arraste e solte para organizar o seu blog.
  • Story Wars: Escreva histórias coletivamente.
  • Headline Analyzer: Analisa o valor de marketing emocional de manchetes (em inglês).
  • WP Hide Post: Controle a visibilidade de itens em seu blog.
  • Social Locker: Peça aos visitantes para “pagar” pelo seu conteúdo com um tweet, etc.
  • Egg Timer: Crie um timer e salve nos favoritos para usar novamente.

D. IDEIAS E TENDÊNCIAS DE CONTEÚDO

E. SEO GRÁTIS + ANÁLISE DE WEBSITES

F. OTIMIZADORES DE IMAGENS GRATUITOS

  • TinyJPG | TinyPNG Compactação de imagens.
  • Compressor.io:Otimização e compactação de imagens online.
  • Kraken: Otimize suas imagens e acelere seu site.
  • ImageOptimizer: Redimensione e diminua o tamanho dos seus arquivos de imagem.
  • ImageOptim: Faz as imagens ocuparem menos espaço em disco, tornando-as mais rápidas de carregar.
  • Smush.it: Plugin do WordPress para otimização de imagens.

G. EDITORES DE IMAGENS GRATUITOS

  • Canva: Design gráfico extremamente simples para blogueiros.
  • Pixlr:O Pixlr Editor é um editor de fotos robusto que pode ser acessado no seu browser.
  • Skitch: Transmita sua mensagem com menos palavras.
  • Easel.ly: Estimula a criação e compartilhamento de recursos visuais belos.
  • Social Image Resizer Tool: Crie imagens otimizadas para mídias sociais.
  • Placeit: Modelos e templates grátis para produtos.
  • Recite: Transforme uma citação em uma obra de arte visual.
  • Meme Generator: O primeiro gerador online de memes.

H. COLETA & ENVIO DE EMAILS GRÁTIS

I. MÍDIA SOCIAL GRATUITA + GESTÃO DE COMUNIDADES + PESQUISAS

  • WriteRack: A forma mais fácil de blogar/tuitar.
  • Spruce: Crie imagens prontas para o Twitter em segundos.
  • Click To Tweet: Ganhe mais compartilhamentos para seu conteúdo.
  • MyTweetLinks: Aumenta o tráfego no Twitter.
  • LatergramFaça o planejamento e o agendamento dos seus posts no Instagram com facilidade.
  • WordPress Pin it Button for Images: Adicione um botão “Pin It”.
  • SharedCount: Rastreamento dos compartilhamentos, curtidas, tweets e outras métricas de um URL.
  • Justunfollow: Para seguir / parar de seguir pessoas no Twitter.
  • SocialRank: Identifique, organize e gerencie seus seguidores no Twitter.
  • Klout: Escore de influência da mídia social em uma extensão para seu navegador.
  • Ritetag: Análise instantânea de hashtags.
  • Social Analytics: Interações de um URL na maioria das plataformas sociais.
  • Riffle: Perfil e informações completas de um usuário do Twitter.
  • Buffer Free Plan: Agende posts no Twitter, Facebook, Linkedin, Google+.
  • Bitly: Crie, compartilhe e rastreie links reduzidos.
  • Flament: Uma barra de compartilhamentos gratuita, bela e personalizável.
  • Addthis: Consiga mais compartilhamentos, seguidores e conversões.
  • Sumome Share: Otimiza automaticamente seus botões de compartilhamento para atingir o máximo de tráfego.
  • Digg Digg: Plugin para todos seus botões de compartilhamento.
  • Disqus: Construa uma comunidade de leitores e comentaristas ativos.
  • Typeform: Criação de belas pesquisas online & construção de formulários .
  • Tally: Crie pesquisas rapidamente.

J. TESTES A/B & GROWTH HACKING

  • Petit Hacks: Hacks de aquisição, retenção e renda usados por empresas.
  • Optimizely: Plataforma de otimização para websites e apps.
  • Hello Bar: Ferramenta para testes A/B com diferentes CTAs & palavras de impacto.
  • GrowthHackers: Possibilitando o crescimento. Juntos.

Ícone por Simple Icons http://thenounproject.com/term/web-design/32232/

→ Design + Código ←

A. RECURSOS DE DESIGN GRATUITOS

  • FreebbbleItens grátis de alta qualidade no Dribbble.
  • Dribbble: Resultados de busca para “freebie” no Dribbble. Um tremendo acervo de freebies.
  • Graphic Burger: Saborosos recursos de design feitos com carinho em cada pixel.
  • Pixel Buddha: Recursos gratuitos e recursos premium para profissionais.
  • Premium Pixels: Itens grátis para criativos.
  • Fribbble: Recursos gratuitos de PSD feitos pelo pessoal do Dribbble, organizados por Gilbert Pellegrom.
  • Freebiesbug: Os mais recentes PSDs gratuitos & outros recursos para designers.
  • 365 Psd: Baixe um PSD gratuito por dia.
  • Dbf: Os melhores freebies de design do Dribbble e Behance.
  • Marvel: Recursos gratuitos dos designers que amamos.
  • UI Space: Freebies de alta qualidade feitos à mão por pessoas geniais.
  • Free Section of Pixeden: Recursos gratuitos de design.
  • Free Section of Creative Market: Um novo freebie toda segunda-feira.
  • Teehan+Lax: DiOS 8 GUI PSD (iPhone 6).
  • Teehan+Lax: iPad GUI PSD.
  • Freepik: Recursos gráficos gratuitos para todos.
  • Tech&All: PSD, notícias de tecnologia e outros recursos grátis.
  • Tethr: O mais lindo kit de design para o iOS que existe.

B. SELETORES DE CORES

C. INSPIRAÇÃO

  • MaterialUp: Inspiração diária para Material Design.
  • FLTDSGNUma exibição diária dos melhores exemplos de flat design em sites e apps.
  • Site Inspire: Inspirações para webdesign.
  • UI Cloud: O maior banco de dados de design de interface no mundo.
  • Moodboard: Crie um belo moodboard (painel semântico) e compartilhe o resultado.
  • Crayon: A mais completa coleção de marketing design.
  • Land-Book: Galeria de landing pages.
  • Ocean: Uma comunidade de designers que compartilham feedbacks.
  • Dribbble: Conheça o trabalho de designers.
  • Behance: Apresente e descubra trabalhos criativos.
  • Pttrns: Padrões de interfaces do usuário para dispositivos móveis.
  • Flat UI Design: Um painel útil que descobri graças a Erik.
  • Awwwards: A premiação para o design, a criatividade e a inovação.
  • The Starter Kit: Seleção de recursos para desenvolvedores e designers.
  • One Page Love: Um recurso para inspiração em sites “one page”.
  • UI Parade: Ferramentas de design de UI + inspiração em design.
  • The Best Designs: O melhor do webdesign.
  • Agile DesignersOs melhores recursos para designers e desenvolvedores.
  • Niice: Um site de busca com bom gosto.

D. BANCOS DE IMAGENS GRATUITOS

E. TIPOGRAFIA GRATUITA

  • TypeGenius: Encontre a combinação perfeita de fontes para seu próximo projeto.
  • Font Squirrel: Fontes comerciais 100% gratuitas.
  • FontFaceNinja: Extensão para o browser que localiza as fontes utilizadas por um site.
  • Google Fonts: Fontes gratuitas de código aberto, otimizadas para a web.
  • Beautiful Web Type: Os melhores tipos do diretório de fontes do Google.
  • DaFont: Um arquivo de fontes gratuitas para baixar.
  • 1001 Free Fonts: Uma enorme coleção de fontes gratuitas.
  • FontPark: O maior arquivo de fontes da web.
  • Font-to-width: Acomode trechos de texto em seus respectivos espaços.

F. ÍCONES GRATUITOS

G. ITENS ÚTEIS E GRATUITOS

  • UI Names: Gerador de nomes aleatórios para uso em design de peças e modelos.
  • UI Faces: Encontre e crie amostras de fotos de avatar para interfaces do usuário
  • UI Blurbs: Rápidas biografias de usuários para usar em seus modelos.
  • Copy Paste Character: Clique para copiar.
  • Window Resizer: Veja como algo se parece em várias resoluções de tela.

Ícone por Luboš Volkov http://thenounproject.com/term/check-list/20936/

→ Trabalho & Produtividade←

A. SOM PARA AJUDAR NA CONCENTRAÇÃO

  • NoisliRuído de fundo e gerador de cores.
  • Noizio: Equalizador de som ambiente para relaxamento e produtividade.
  • Defonic: Junte os sons do mundo para formar uma melodia.
  • Designers.mx: Playlists selecionadas feitas por designers, para designers.
  • Coffitivity: Toque os sons de uma cafeteria.

B. FERRAMENTAS PARA EVITAR DISTRAÇÕES

  • Self ControlMac: aplicativo gratuito para ajudá-lo a evitar sites que o distraem.
  • Cold Turkey: Windows: bloqueie temporariamente os sites que causam distração.

C. ORGANIZAÇÃO & COLABORAÇÃO

  • Trello: Tome nota de tudo.
  • Evernote: O espaço de trabalho da sua vida.
  • Dropbox: Espaço gratuito até 2GB.
  • Yanado: Gerenciamento de tarefas dentro do Gmail.
  • Wetransfer: Transferências gratuitas de arquivos, até 2GB.
  • Drp.io: Hospedagem rápida, privada, gratuita e fácil de arquivos e imagens.
  • Pocket: Veja depois: guarde no Pocket.
  • Mailtoself: Uma extensão para o iOS que envia recados a você de qualquer aplicativo.
  • List.ly: Para descobrir e criar grandes listas.
  • MarkticleMarque o progresso da sua leitura de artigos para continuar mais tarde.

D. NÔMADES DIGITAIS & TRABALHO À DISTÂNCIA

  • Nomadlist: As melhores cidades para viver e trabalhar remotamente.
  • Where Nomads at: Encontre nômades digitais e viajantes do mundo inteiro.
  • Nomad Jobs: Os melhores trabalhos à distância nas melhores startups.
  • What’s It Like: Ajudando os viajantes a decidir QUANDO partir.

Ícone por New Haircut http://thenounproject.com/term/mark/97562/

→ Descoberta & Aprendizado←

A. FERRAMENTAS DE DESCOBERTA & STARTUPS

  • Product Hunt: Curadoria dos melhores produtos novos, todos os dias.
  • Angellist: Onde o mundo encontra startups.
  • Beta List: Descubra e tenha acesso pioneiro às startups do futuro.
  • StartupLi.st: Encontre. Siga. Recomende startups.
  • Startups List: Coleções das melhores startups em diferentes locais.
  • Erli Bird: Onde nascem excelentes produtos.

B. CRIAÇÃO EM EQUIPE

  • Assembly: Co-criação de novas ideias, não importa onde estejam.
  • CoFoundersLab: Encontre um co-fundador em qualquer cidade e qualquer indústria.
  • Founder2be: Encontre um co-fundador para a sua startup.

C. APRENDIZADO

  • Skillshare: Liberte sua criatividade com aulas e projetos gratuitos na web.
  • Khan Academy: Educação gratuita de nível internacional para qualquer pessoa, em qualquer lugar.
  • Coursera: Cursos gratuitos pela Internet, oferecidos por mais de 80 universidades e instituições de destaque.
  • Codecademy: Aprenda a programar interativamente, de graça.
  • Como abrir uma startup: Podcast em áudio ou Curso online
  • Startup Notes: Startup Notes convida grandes fundadores a contarem suas histórias.
  • The How: Aprenda com empreendedores
  • Launch This Year: Um guia para ajudá-lo a lançar seu negócio online.
  • Closed Club: Pesquise startups que encerraram suas atividades e aprenda porque fizeram isso.
  • Startup Talks: Uma seleção de vídeos sobre startups.
  • Rocketship.fm: Aprenda com empreendedores de sucesso toda semana.
  • reSRC.io: Todos os recursos gratuitos para aprender programação.

D. NEWSLETTERS QUE NÃO SÃO UM SACO

E. UTILIDADES

Como empreender em tempos de crise

Se existe um comportamento necessário para tempos de crise, ele se chama empreendedorismo. Necessário, porque em qualquer crise há escassez de algo e o empreendedorismo funciona como um multiplicador. Se estamos em uma crise financeira, empreendedorismo servirá para multiplicar dinheiro. Crise de emprego? Crie o seu próprio empreendendo. É dessa multiplicação que precisamos.

Porém, se criar empresas fosse a salvação, essa crise não estaria existindo, porque as empresas criadas, seriam imunes a ela. Na verdade, da mesma maneira que muitos empreendedores e empreendimentos – leia se empresas – surgem por uma crise, elas deixam de existir por esse motivo. Paradoxal?

O que acontece, é que nosso cérebro adora uma comodidade. Em um momento de crise, que há a necessidade de criar uma solução, o espirito empreendedor se desenvolve e a mágica acontece: criatividade, networking, trabalho duro e planejamentos, irão fazer aquela ideia se concretizar. Só que conforme a empresa vai ficando mais estabelecida, com mais facilidade para vendas, maior fluxo de caixa… a mágica se desfaz e o espirito empreendedor, dá lugar ao espirito acomodador. Para que pensar se a venda está garantida? Para que criar, se meu lucro não diminui?

tumblr_nqx977yGTE1tubinno1_1280

Esse espírito acomodador, o substituto do empreendedor, esquece que as empresas estão inseridas em um ambiente macro, onde decisões econômicas de governos afetam a economia; mudanças tecnológicas, mudanças de comportamentos dos consumidores deixam sua empresa obsoleta: um farfalhar de asas na Ásia, causa um tsunami no Brasil (frase livremente copiada e adaptado por mim, do filme Efeito Borboleta).

A solução seria, sempre estar com o espirito empreendedor ligado. Criando novos projetos na empresa e desenvolvendo os velhos. Sempre se desafiando. Não existe fórmula pronta, cada negócios tem sua particularidade, existem similaridades, mas há de se guardar as proporções. O que facilidade esse espirito empreendedor, é você parar de buscar respostas a perguntas prontas. Que tal você começar a criar perguntas para depois buscar as respostas?

[VÍDEO] O que significa o rebaixamento do rating do Brasil para sua empresa?

Dia 09 de sembro de 2015, a agência americana de avaliação de investimentos, Standard and Poors, rebaixou o grau de investimento do Brasil para junk, ou seja, investir no Brasil significa uma possibilidade de levar um calote!

Mas, o que realmente isso vai significar para nossas empresa? Gravei um vídeo falando sobre as consequências imediatas e o que podemos fazer para mitigar esse efeito.

Canvas: A escolha inteligente

Segundo o dicionário do Google, Dinâmica é a “parte da mecânica que estuda o comportamento dos corpos em movimento e a ação das forças que produzem ou modificam seus movimentos”, e não existe melhor palavra para definir o momento que vivemos. Nada é estático, tudo é fluído e rápido, algo que temos certeza hoje, amanhã pode ser uma dúvida; um negócio lucrativo hoje, não é mais amanhã!

Diante disso, quando temos uma ideia de negócio, precisamos mais do que depressa, colocar em execução. Um dos princípios de empresas tecnológicas(leia-se start up) diz que “se você não sentir vergonha de seu produto depois de um tempo, você lançou ele tarde de mais”.

Esse cenário, faz com quem muitas vezes o “Plano de negócio”, como recomendam várias empresas de consultoria e orgãos ligados a criação de empresas, pode se tornar um “tiro no pé”. Primeiro poque a maneira de recolher as informações para a execução do projeto será feita no presente e seu projeto será executado no futuro – lembra do dinamismo que falamos atrás? – E segundo, enquanto você fica colhendo informações para seu “plano de negócios”, alguém vai lá e faz, e vai entendendo  mercado e recolhendo informações, conforme o negócios “anda”.

Acho importante o Plano de negócios, mas não podemos nos guiar somente por ele! Acredito que ele tem que servir para vermos qual é nossa projeção e como aconteceu na prática.

Para tirar sua ideia da cabeça de uma forma rápida e de fácil visualização, recomendo utilizar o “Canvas”:

O Business Model Canvas é uma ferramenta de gerenciamento estratégico, que permite desenvolver e esboçar modelos de negócio novos ou existentes. É um mapa visual pré-formatado contendo nove blocos do modelo de negócios.[1] . O Business Model Canvas foi inicialmente proposto por Alexander Osterwalder[2]baseado no seu trabalho anterior sobre Business Model Ontology.[3]

As descrições formais do negócio se tornam os blocos para construir suas atividades. Existem várias conceitualizações diferentes de negócio; o trabalho e a tese de Osterwalder (2010[1] , 2004[3] ) propõem ummodelo único de referência baseado nas semelhanças de um vasto número de conceitualizações de modelo de negócios. Com seu padrão de design de modelo de negócios, uma empresa pode facilmente descrever seu modelo de negócios. (Fonte: Wikipedia )

business-model-canvas

Esse é o modelo de quadro que é utilizado para fazer a ideação do seu negócio. É fácil preencher. Recomenda-se que inicialmente, seja colocado post it com palavras que representem suas ideias, em cada setor. Ao final, você vai visualizar seu negócios como um todo: desde seus principais fornecedores, até o valor que você vai entregar ao seu cliente.

Dedico esse post especialmente a todos que estão com algumas ideias, mas estão elaborando um complexo plano de negócios. Desafio você a fazer o canvas e colocar sua ideia em prática! Encerro com essa frase de Vó, que não poderia ser mais atual: “Antes feito, do que perfeito.”

Como aproveitar o momento negativo para crescer

Nunca antes na história desse país, houve tanta preocupação, medo e pessimismo com relação ao nosso futuro econômico. Bom, razões não faltam: o maior caso de corrupção no planeta, o do Petrobrás está nos assombrando… prováveis racionamento de água e energia elétrica, não são descartados. Nesse ano, pela primeira vez, em 70 anos(!) o PIB cairá pelo segundo ano consecutivo, o dólar chegou a exorbitantes R$3, deixando produtores que dependem da importação um cenário nada agradável. Some se a isso, ajustes fiscais para todo o lado, apertando ainda mais a nossa (pequena) margem de lucro.

financial-crisis-544944_640

É obvio que um cenário assim, traz muitos desafios para cada um de nós.

Menos óbvio, é que esse mesmo cenário pode trazer muitas oportunidades!

Nos períodos em que tudo conspirava a favor, a tão falada classe c gastando pra valer, a economia crescendo em média 5% ao ano (entre 2004 e 2008), empregados sendo contratados a todo vapor, vendas das empresas batendo recordes, salários que subiam – além da inflação – e o crédito farto no mercado, tornou a maioria dos empreendedores (e dos consumidores) em profissionais acomodados e porque não, preguiçosos! Não era necessário pensar, era só seguir a maré.

Essa situação passada, fez com que os empreendedores dissessem adeus a inovação, melhoria de processos, pensamento de ganhos a longo prazo ou geração e percepção de oportunidades de novos negócios, planejamento e gestão.

O final de 2014 e até agora em 2015, nos mostrou uma situação preocupante: empresas demitindo, crédito escasso e todos os problemas que isso causa, batendo a nossa porta. Tudo isso aconteceu (pelo gigantismo e má qualidade dos gastos públicos, por exemplo, mas, não entraremos em meandros políticos) devido a desaceleração da economia. Os empresários que estavam somente seguindo a maré, agora terão que começar a remar e esticar as velas.

keyboard-648439_640

Como aproveitar esse momento negativo para crescer?

É nos períodos ruins, desafiadores, de crise, que as empresas são colocadas a prova: os erros da época de abundância começam a ficar expostos. Se esses erros forem corrigidos, o sucesso da empresa a longo prazo, será garantido. Os empresários precisam ser resilientes , tomar decisões rápidas, mitigando possíveis danos.

Planejamento e uma boa gestão, são palavras chaves para o sucesso. Se conseguirmos aproveitar o momento de crise para evoluirmos e crescermos, então, esse momento não terá sido em vão.

[Tanto medo e reclamação – com razão! – já renderam mais dois post sobre, você pode ler os outros aqui e aqui.]